FHC favoreceu políticos em programa social, acusa Graziano

Ao apelar neste sábado para que os vereadores do PT ajudem a controlar o programa Fome Zero nos municípios, evitando fraudes e deturpações, o ministro da Segurança Alimentar, José Graziano, afirmou que metade do cadastro de programas sociais recebido do governo Fernando Henrique Cardoso é composto por favorecidos políticos. ?Nós recebemos uma herança do governo anterior que é uma vergonha?, afirmou Graziano. ?Metade das pessoas foi incluída no cadastro único por favoritismo político.?De acordo com o ministro, o governo tem recebido e apurado várias denúncias de tentativa de manipulação na inscrição de famílias para receber o cartão-alimentação do Fome Zero, que já atingiu 193 municípios do semi-árido nordestino. ?Tem de tudo, até gente cobrando inscrição para o Fome Zero. Nesta semana, pegamos três ou quatro gaiatos?, afirmou. ?De Brasília, com 100 pessoas, não sou eu que vou conseguir fazer isso. Nós precisamos de vocês para impedir que esse programa seja deturpado ou apropriado por alguém.?A maior preocupação do governo é com o uso político que prefeituras possam estar fazendo do cartão-alimentação, já que possuem a prerrogativa de criar os conselhos de segurança alimentar. Segundo Graziano, o Fome Zero deve atingir mil municípios do semi-árido nordestino até outubro e, a partir daí, a prioridade será estender o cartão alimentação às grandes cidades da região e chegar à Amazônia.Nesta semana, o governo iniciará a compra da safra de feijão, milho, arroz e farinha de mandioca dos agricultores familiares do Nordeste. Parte desse alimento será distribuído e outra parte será usado pela Conab para constituir estoques reguladores de preços. Assim, o governo espera evitar que futuras pressões de demanda provocadas pelo Fome Zero tenham efeito inflacionário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.