FHC fala sobre a crise no PSDB e critica governo Lula

Em entrevista concedida neste sábado, 18, à Rádio CBN, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, disse que as pessoas estão exagerando ao falar sobre a crise do partido e afirmou que, se ela existe, é uma discussão interna, considerada saudável. "É preciso mesmo um terremoto para poder sacudir as idéias. Isso não é meu jeito de pessoa, é de idéia." Quanto à expressão de refundar o partido, usada pelo governador reeleito do partido em Minas Gerais, Aécio Neves, ele disse que "refundar o partido" foi uma expressão metafórica, no sentido de voltar ao fundamento, princípio. Ele ainda considerou que o PSDB venceu as eleições nas partes mais desenvolvidas do País, mais unificadas, como São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. FHC também criticou o PT, dizendo que hoje o partido do presidente Lula, que "nasceu aclamado pelas classes populares, passou a ocupar o lugar de partidos conservadores". Ao ser questionado se conversará com Lula, caso seja chamado ao Planalto para conversas políticas, o tucano disse que o presidente nunca o chamou para conversar. "Lula nunca me convidou para o Planalto em quatro anos de governo. Ele só me ligou uma vez para irmos juntos ao enterro do papa, e eu aceitei". Lula tem que conversar primeiro com o pessoal dele, que está louco por cargos para o segundo mandato", rebateu. O tucano ainda afirmou que a oposição do PSDB não vai impedir as realizações do governo Lula. "Nossa oposição será diferente da do PT, que só queria desgastar o governo", disse. FHC criticou novamente o fato de o presidente Lula atribuir os programas sociais à sua gestão, afirmando que eles começaram em seu governo. "Primeiro mandato de Lula foi bom de bico. Mostrou grandes realizações na TV, mas na prática não foi nada consistente. O governo não tem mostrado eficácia". O ex-presidente encerrou a entrevista admitindo que seu partido poderia ter "mostrado com mais vigor", durante a campanha eleitoral, a ineficácia do governo Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.