FHC está sendo precipitado ao pressionar o PMDB, diz Bezerra

O presidente da Comissão de Orçamento do Congresso Nacional, Carlos Bezerra (PMDB-MT), disse hoje que o presidente Fernando Henrique Cardoso está sendo "precipitado e incendiário" ao dar um ultimato ao PMDB, para decidir se apóia ou não o governo. "É precipitado porque se o PMDB for para a oposição agora, o governo Fernando Henrique acaba e o caos não interessa a ninguém. O País tem que ser, no mínimo, de governabilidade, e o presidente necessita de ponderação para coordenar o processo sucessório", afirmou Bezerra, referindo-se a declarações desta manhã, do presidente, em Tocantins, de que se o PMDB não quer ser aliado do governo, "que pegue o caminho da roça". Na opinião de Bezerra, o presidente tem que separar a sustentação política do governo no Congresso e a sucessão presidencial. Na avaliação do senador, "se misturar as duas questões, o maior prejudicado será o governo e o País". Para Bezerra, o presidente deve ter falado isso de cabeça quente, e que por trás de tudo isso estariam as divergência entre o ele e o governador de Minas Gerais, Itamar Franco, que desponta como um dos preferidos na sucessão presidencial, segundo as pesquisas de opinião pública. Carlos Bezerra lembrou que Fernando Henrique já conviveu com o PMDB, que é um partido heretogêneo e com divergências internas. O senador ressaltou, também, que o próprio presidente sabe que a tese da candidatura própria já está arraigada dentro do partido. "Mas isso não significa que possa estabelecer um confronto dentro da base aliada que prejudique o País", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.