FHC endossa ameaça de Serra contra laboratórios

O presidente Fernando Henrique Cardoso endossou nesta quinta-feira a ameaça do ministro da Saúde, José Serra, de liberar os laboratórios brasileiros para a produção dos medicamentos importados Nelfinavir e Efavirenz. "A política do Ministério é a política do governo, é a política do presidente, portanto não há nenhuma diferença nas duas posições", disse Fernando Henrique, por intermédio de seu porta-voz, George Lamazière.Os Estados Unidos detêm a patente desses dois remédios, que integram o coquetel anti-Aids distribuído gratuitamente pelo Ministério da Saúde. O custo de compra destes dois medicamentos (os mais caros do coquetel) significam quase R$ 210 milhões de reais dos 600 milhões gastos pelo governo na manutenção do programa. O Brasil já produz 7 dos 12 medicamentos e, com a quebra da patente, passará a produzir 9. O ministro José Serra ameaçou quebrar as patentes dos dois medicamentos sob o argumento de abuso de poder econômico por parte dos laboratórios internacionais Roche e Merck. Nesta quinta-feira, o presidente evitou dar declarações técnicas sobre o assunto, enfatizando a importância e o reconhecimento internacional do programa anti-Aids brasileiro."O Brasil tem um dos programas anti-Aids mais avançados e com maior êxito do mundo, reconhecido internacionalmente, tanto pelas instituições especializadas, como pela imprensa", disse. "O governo brasileiro não abrirá mão de instrumentos legais de que dispõe para preservá-lo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.