FHC embarca para a Rússia, em sua 85ª viagem ao exterior

O presidente Fernando Henrique Cardoso embarca neste sábado para a Rússia, às 22 horas, em sua 85ª viagem internacional desde que assumiu o governo, em janeiro de 1995.Acompanhado por empresários e parlamentares, ele vai também à Ucrânia, em sua primeira visita como presidente aos dois países da antiga União Soviética. Com isso, atingirá a marca de 114 países percorridos em pouco mais de sete anos no Palácio do Planalto.A agenda internacional do último ano de mandato do presidente começa neste domingo, com o desembarque em Moscou, às 16h30 no horário local (11h30 em Brasília).A viagem faz parte do esforço do governo para aumentar as exportações brasileiras. Na segunda-feira, está previsto encontro com o presidente russo Vladimir Putin e, na quarta-feira, FHC segue para Kiev, na Ucrânia, onde passará um dia, voltando depois para o Brasil.Antes, ainda em Moscou, terá tempo para um programa cultural: a apresentação do balé Quebra-Nozes, no Teatro Bolshói. O próximo compromisso de Fernando Henrique no exterior será na Argentina, no fim do mês, no encontro de cúpula de presidentes do Mercosul.Diante da crise que abala o país vizinho, a reunião servirá para os líderes do bloco darem apoio ao novo governo do presidente Eduardo Duhalde. A seguir, o presidente irá à Suécia e à Polônia, em mais uma investida para ampliar o comércio exterior.Em maio, em plena fase de definição do processo eleitoral no País, Fernando Henrique deve ir à Espanha. Ele vai participar da cúpula da América Latina com a União Européia, num momento especialmente delicado para os rumos de sua sucessão.Como tem declarado o presidente nacional do PFL, Jorge Bornhausen, em maio deve haver a definição dos partidos da base governista em torno de um nome para disputar a eleição presidencial em 6 de outubro.O PFL trabalha para a consolidação da candidatura da governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PFL), que aparece em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, atrás apenas do petista Luiz Inácio Lula da Silva.Mas o PSDB e Fernando Henrique querem viabilizar o nome do ministro da Saúde, José Serra, que deve lançar sua candidatura nos próximos dias. O desempenho do ministro nas pesquisas em maio tende a ser decisivo para a continuidade ou não da aliança do PSDB com o PFL e o PMDB, partidos que dão sustentação ao governo Fernando Henrique e ameaçam romper a aliança.Com presença freqüente no exterior em todo o seu governo, Fernando Henrique teve seu papel internacional realçado após os atentados terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos.O ponto alto ocorreu em outubro, quando discursou na Assembléia Nacional da França, diante dos principais líderes políticos daquele país. Depois, encontrou-se com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e falou na abertura da Assembléia-Geral das Nações Unidas, nos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.