FHC elogia autoconvocação do Congresso

Ao desembarcar hoje na Base Aérea de Campo Grande (MS), o presidente Fernando Henrique Cardoso agradeceu o esforço do Congresso, que começou a votar o Orçamento e anunciou uma autoconvocação até a primeira semana de janeiro, mas advertiu que a sua aprovação é fundamental para o País para mostrar que "há um caminho seguro". Fernando Henrique voltou a lembrar que pode governar sem Orçamento, mas que a população é quem sofrerá porque muitos programas sociais são retardados. O presidente soube pela manhã da autoconvocação do Congresso até 7 de janeiro diretamente por meio do presidente da Câmara, Aécio Neves. "Ele me relatou o esforço imenso que ele e o presidente do Senado, Ramez Tebet, fizeram para obter um resultado positivo, na aprovação do Orçamento. Não foi possível, por falta de número para terminar. Mas eles vão convocar extraordinariamente a autoconvocação do Congresso Nacional para a próxima semana e a primeira semana de janeiro. Agradeço esse esforço", disse o presidente."Caminho seguro" - Segundo Fernando Henrique, "deputados e senadores estão mostrando que estão percebendo que o Brasil está em um rumo firme." A aprovação do texto seria também uma forma de mostrar à opinião pública internacional que o Brasil não corre os mesmos riscos de outros países."O mundo todo percebeu que aqui existe um caminho seguro e a aprovação do Orçamento é mais um passo nessa direção. Esse esforço adicional é muito importante e de antemão eu agradeço", afirmou o presidente. Ele ressaltou que programas sociais importantes como a Bolsa-Escola, Bolsa-Alimentação e o Seguro-Renda, serão prejudicados caso o Orçamento atrase. "No conjunto, são vários bilhões de reais que vão diretamente para o povo sob a forma de dinheiro, sem intermediação. Nem de político nem de ninguém, é no cartão magnético." Fernando Henrique advertiu ainda que projetos de infra-estrutura, sobretudo estradas e pontes, serão atrasados se não houver liberação do Orçamento.Natal - O presidente embarcou hoje para a fazenda Caiman, no município de Miranda, onde passará as festas de Natal. "Acho a região do Pantanal admirável, tem uma biodiversidade imensa e um microclima", disse. "Queria que todos os meus netos possam ver como o Brasil é fantástico, sua natureza e sua capacidade de preservação desta natureza. O Pantanal, o Mato Grosso do Sul e o Mato Grosso são exemplos. Nós vamos cuidar mais e mais desta região", disse. Ele citou ainda a relação que sua família teve com a região para justificar sua admiração pelo local. "E venho até por razões sentimentais. O meu avô, no século passado, morou aqui em Nioaque, em Miranda, depois da Guerra do Paraguai. Meu pai era militar. Portanto, eu sei a história toda", disse o presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.