FHC e Lula falharam com segurança, afirma Virgílio

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), fez nesta terça-feira uma autocrítica pela forma como o governo Fernando Henrique tratou a segurança pública. "O governo FHC, do qual fui líder e ministro, tratou da economia, da estabilidade econômica, fez trabalho que será reconhecido pela história, mas não deu prioridade à segurança pública". Para ele, a falha é de outros governos também: "Nem o governo Lula está dando a atenção necessária".Para Arthur Virgílio, que fez sua autocrítica durante sessão da Comissão de Constituição e Justiça do Senado convocada justamente para tratar de projetos para a área de segurança, a sociedade tem de estar mobilizada."É fundamental a presença do Estado, a começar pelos municípios, que precisam iluminar melhor as ruas e desenvolver políticas públicas de esporte e lazer. Os Estados têm papel importante na ação policial, de prevenção e repressão. E ao governo federal cabe papel relevante."O senador disse ser necessário que o Exército vá para as fronteiras, para coibir o tráfico de drogas e de armas. É lá, a seu ver, que começa o crime organizado."A mídia tem também importante papel a cumprir: o de promover vigorosa campanha contra o consumo de drogas", disse. E a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também tem de colaborar, disse. "Não pode dar proteção a advogados que se acumpliciam com organizações criminosas.""Sou advogado e tenho profundo respeito pela atual direção da Ordem, pelo papel histórico da OAB na reconquista da democracia, mas é fundamental fazer clara distinção entre o advogado que tem o dever de defender o criminoso - mesmo o réu que tenha praticado o crime mais bárbaro - e o advogado que se acumplicia com organizações criminosas", disse."É fundamental que a OAB perceba que não se pretende diminuir o papel do advogado, mas sim adequar a prioridade máxima de combater o crime organizado e o papel do advogado. Sou revistado no aeroporto e não vejo nada de mais", afirmou Arthur Virgílio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.