FHC diz que saída de Bezerra foi "decisão pessoal"

O presidente Fernando Henrique Cardoso acha que a saída do senador Fernando Bezerra (ex-PMDB-RN) do cargode ministro da Integração Nacional "foi uma decisão pessoal, de foro íntimo", segundo disse nesta terça-feira o porta-voz da Presidênciada República, Georges Lamazière.Ele disse, também, que Fernando Henrique não considera uma traição o fato de Bezerra teranunciado que vai assinar o requerimento de criação da CPI Mista da Corrupção.Segundo Lamazière, o presidente entende que osentimento de Bezera é de que se esclareça ao máximo a situação dele, que ela seja investigada.Também conforme o porta-voz,Fernando Henrique ainda não falou em sucessor de Bezerra, nem se haverá mudança na estrutura do ministério.Lamazièreconfirmou que Bezerra não informou previamente o presidente sobre seu propósito de se exonerar do cargo, no encontro que tevecom ele nesta terça-feira, por volta do meio-dia, no Palácio da Alvorada.Na oportunidade, Bezerra deu ao presidente explicações sobre asdenúncias segundo as quais ele teria recebido recursos da Sudene sem ter dado a devida contrapartida, numa empresa de quefoi sócio.Nessas explicações, segundo Georges Lamazière, o ex-ministro "foi muito convincente". Opresidente pediu, então, que Bezerra enviasse a documentação à corregedora-geral da União, Anadyr de Mendonça Rodrigues.Quanto ao fato de Bezerra ter continuado a residir numa casa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), de cuja presidênciase licenciou para assumir o ministério, e de ter levado funcionários da CNI para o governo, Lamazière disse que esse assuntodeve ser enviado à Comissão de Ética Pública.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.