FHC diz que política fiscal do governo Lula está frouxa

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse hoje que a política fiscal do governo está "frouxa" por conta do aumento dos gastos públicos promovidos pelo governo federal. Ele responsabilizou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva por ter elevado os gastos correntes e aumentado o número de cargos públicos e criticou o nível de investimento que, na sua avaliação, continua muito baixo.

ANNE WARTH, Agência Estado

25 de novembro de 2010 | 15h31

"Eu acho que a política fiscal está frouxa. O presidente Lula optou por aumentar muito o gasto corrente com pessoal, criou cargos e não optou por fazer investimentos", afirmou, ao participar do 2.º Fórum CardMonitor de Inteligência de Mercado, em São Paulo. "Acho que agora está na hora do Brasil pensar grande e estrategicamente", disse, em referência ao início do governo da presidente eleita Dilma Rousseff.

Apesar da crítica, FHC evitou afirmar que a política fiscal será "a herança maldita" do governo Lula. "Eu não gosto dessa expressão porque eles a inventaram para me criticar e usaram minha herança o tempo todo. Eu não acho que o Brasil tenha herança maldita. O Brasil tem melhorado sempre, melhorou no tempo de Itamar Franco, de José Sarney, no meu tempo e no do presidente Lula. Nós estamos avançando, isso é briga política." "Quando a gente olha um pouco mais de longe, com objetividade, não tem herança maldita, tem problema, dificuldades e situações."

Teimosa

Ao falar do futuro governo, o tucano avaliou que Dilma Rousseff terá de decidir se vai continuar com a política de aumento de gasto público ou se vai promover um ajuste mais forte nas contas públicas. "Dilma é teimosa, mas também é racional, e acho que a racionalidade vai prevalecer. Espero que ela tenha capacidade de decidir."

Além do desafio econômico, Fernando Henrique prevê desafios políticos para a presidente eleita. No seu entender, ela terá mais dificuldades em lidar com o Congresso do que o presidente Lula. "Lula tinha muito apoio popular, o que facilitava seu trânsito no Congresso Nacional. Não é que ela seja vulnerável, é a nossa situação, o estilo do presidencialismo brasileiro. O partido do presidente nunca é majoritário e tem que fazer o sistema de alianças e as alianças têm o seu custo", afirmou. E continuou: "Eu não gosto de julgar de antemão, mas ela vai ter de ter um trabalho grande porque os partidos vão começar a exigir."

Para ilustrar o cenário de desafio político que prevê para Dilma Rousseff, FHC citou como exemplo a formação do blocão liderado pelo PMDB (com outras legendas da base aliada) antes mesmo da posse da presidente eleita. Sobre as diferenças e semelhanças entre Lula e Dilma, o tucano disse que, além do apoio popular, Lula contou com o bom momento econômico mundial. "Agora, os ventos não são tão favoráveis, então, provavelmente ela (Dilma) vai ter que desenvolver maiores habilidades para poder equilibrar as forças."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.