FHC diz que o Brasil é melhor lugar para descansar

No segundo dia de passeiopelo arquipélago de Fernando de Noronha, o presidente FernandoHenrique Cardoso disse hoje que prefere o Brasil para descansar."Para trabalhar, vou para o exterior", afirmou o presidente,que cumpriu, desde o início de seu primeiro mandato, em 1995, umintenso roteiro de viagens para o exterior. Numa rápida entrevista durante uma trilha ecológica atéo Mirante da Baía dos Porcos, um dos pontos mais belos da ilha,Fernando Henrique recusou-se a falar sobre política. Mas listoubons locais de descanso no Brasil: Pantanal (MS), Mamiroá (AM) eFernando de Noronha (PE), locais em que já esteve. "Para viverbem é no Brasil", declarou bem-humorado. Segundo ele, desde o seu primeiro passeio peloarquipélago, em 1996, a infra-estrutura local melhorou muito."As trilhas estão bem cuidadas, há explicação para turistas e oaeroporto, cuja a pista estava esburacada, está melhor", disseo presidente. Ele contou que fez questão de pagar a taxa depreservação ambiental porque ela foi criada para "ajudar"."Se todos pagam a taxa, por que não pagar?". No total, o presidente deve ter desembolsado cerca de R$900 para o pagamento do tributo, cujo o total é referente aonúmero de familiares de Fernando Henrique e à quantidade de diasde passeio na ilha. A cota de cada visitante é de R$ 84,00. Fernando Henrique desembarcou ontem acompanhado de donaRuth Cardoso, dos filhos Beatriz e Paulo Henrique, dos netosJoana, Helena, Júlia e Pedro, além de amigos. Hoje cedo eleesteve na Praia do Italaia. À tarde, o presidente percorreu cerca de 300 metros atéo Mirante da Baía dos Porcos. No caminho, posou para fotos aolado de turistas. Em seguida, foi contemplar um dos mais beloscartões postais do arquipélago: o Dois Irmãos, duas pequenasilhas. De acordo com a lenda da região, elas representam osseios petrificados de uma mulher gigante. No imaginário dosmoradores da ilha, ela e seu amante foram punidos, porque faziamsexo sem escrúpulos. O presidente deve retornar para Brasíliadomingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.