FHC diz que Lula deve seguir seu exemplo e divulgar gastos

Ex-presidente chama de 'guerra suja' acusação de que seus gastos têm irregularidades e quebra próprio sigilo

da Redação,

26 de março de 2008 | 09h41

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso aconselhou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a seguir o seu exemplo e divulgar os gastos da Presidência, em entrevista à rádio CBN nesta quarta-feira, 26, e chamou de "guerra suja" as acusações de que os gastos à época em que foi presidente teriam irregularidades. Na última terça à noite, FHC autorizou a quebra do seu próprio sigilo.       Veja também:     ENQUETE: A CPI dos Cartões deve quebrar sigilo de Lula e FHC?  Entenda a crise dos cartões corporativos   FHC quebra o próprio sigilo e tucanos pressionam CPI a abrir gasto de Lula   A decisão foi tomada após reportagem da revista Veja desta semana, segundo a qual o governo teria preparado um dossiê sobre gastos do ex-presidente para intimidar tucanos na CPI dos Cartões. A denúncia provocou uma série de negativas do Planalto e acirrou os ânimos na comissão, que agora cobra a quebra de sigilo de Lula e planeja convocar a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, para falar sobre o suposto dossiê.   Segundo FHC, a quebra de seu próprio sigilo é para "acabar com essa sensação de que tem algo de podre no reino da Dinamarca". Se teve algo de podre, é longe de mim", disse. O ex-presidente defendeu ainda punição caso seja comprovada alguma irregularidade. "Que se puna, mas não se pode fazer guerra suja. Por isso, pedi para abrir tudo de uma vez".   FHC disse ainda na entrevista não considerar "violação de privacidade" a divulgação de seus gastos, mas chamou de "calúnia" reportagem da revista Veja que cita gastos com garrafas de champagne no início do segundo mandato. "Nem sei quem comprou (as garrafas) nem vi a ordem. Talvez tenha sido para a festa de posse da reeleição. Confundir isso como gasto pessoal é uma calúnia, dizer que fulano gastou para o seu bel prazer é errado", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.