FHC diz que está em falta com o Exército

O presidente Fernando Henrique Cardoso participou hoje, no Clube Naval, de reunião de confraternização de final de ano com os oficiais-generais das três Forças Armadas. No encontro, o presidente prometeu para o ano que um plano de reequipamento do Exército e admitiu que se sente em falta com a força terrestre. "Vou manter a minha palavra", assegurou.Ele prometeu que não deixará o governo sem ter pago a última parcela do reajuste dos militares, de cerca de 7%, que estava prevista para janeiro de 2002 e havia sido adiada para janeiro de 2003. Agora, o presidente garante que pagará essa última parcela no segundo semestre de 2002.O presidente afirmou que as recentes promoções dos oficiais-generais não têm interferência extra-profissional. O presidente afirmou que a ascensão ao generalato e aos demais postos nas Forças Armadas se "deve, unicamente, ao merecimento e ao esforço de cada um". Ele ressaltou que as Forças Armadas estão cada vez mais profissionalizadas, o que, no entender dele, traz uma confiabilidade enorme ao País.Fernando Henrique lembrou que, em todas as enquetes de opinião pública, as Forças Armadas são apontadas como as mais prestigiadas, quando não a mais. "É uma garantia para a Nação de respeito à Constituição e de continuidade democrática", afirmou. "Isso não exime o presidente e o governo de olharem as Forças Armadas com a atenção que elas merecem."O presidente ressaltou que o governo sabe dos esforços que têm sido feitos pelos integrantes das Forças Armadas e agradeceu o esforço e a solidariedade do ministro da Defesa, Geraldo Quintão, e dos comandantes militares. Fernando Henrique destacou ainda que, "a despeito de tudo, as tarefas são sempre cumpridas pelos militares, mesmo quando há escassez de meios".Fernando Henrique elogiou o fato de os militares saberem conservar tudo o que têm, a capacidade de manutenção e o cuidado com as pequenas e grandes coisas. O presidente, que iniciou o discurso destacando que faria breves palavras, encerrou, dizendo: "Eu falo mais do que a prudência indica."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.