FHC discursa no enterro de Covas

O presidente Fernando Henrique Cardoso fez um pequeno pronunciamento em homenagem ao amigo e companheiro de longos anos, o governador Mário Covas. No breve discurso, FHC disse que Covas foi consagrado pelo povo e o reconhece como um grande líder. Fernando Henrique fez questão de dizer que não estava discursando como presidente, mas sim na condição de amigo. "Você se vai Mário, mas sua memória estará firme conosco e tenho certeza que você vai nos olhar", reiterou.O presidente destacou que as lágrimas que todos derramam hoje não são apenas de saudades, são emoções por saber que Mário Covas cumpriu a sua missão. "Com você no caminho, estaremos firmes e vamos continuar assim. Descanse em paz", finalizou o discurso. O túmulo já baixou à sepultura e dona Lila Covas, muito emocionada, começa a receber os pêsames de amigos e familiares.Veja a seguir a íntegra do discurso do presidente Fernando Henrique:A todas as pessoas que estão aqui, Mário, Lila, Geraldo, não são palavras de despedida. São palavras de permanência. Você, Mário, foi consagrado, eu vi pelas ruas de São Paulo. Consagrado quer dizer foi sagrado junto com seu povo, o nosso povo, que reconheceu em você um líder, reconheceu suas virtudes. Quiséramos nós possuí-las: coragem, firmeza e amor à democracia, de dureza quando necessário, mas também de ternura, também de emoção, também de amor.Você se vai Mário, mas sua memória estará firme conosco. Sua família estará aqui firme com você.Eu tenho certeza que onde quer que esteja, você vai nos olhar. Às vezes dizendo ?vá em frente?. Às vezes com aquele olhar de quem diz: ?tá bom, eu vou com você, mas talvez fosse melhor não ter ido tão longe?, mas foi e vai sempre porque tem convicções, como eu tenho, como nós temos.Em nome de todos nós, seus amigos, não importa que qualidades tenhamos, não importam os títulos que hoje, eventualmente, ostentamos, o mais belo é o de companheiro. E somos companheiros. E as lágrimas que nós derramamos, nós derramamos lágrimas, não foram só de tristeza. São, sem dúvida, de tristeza Mário, mas foram também já de saudade antecipada. Mas até ousaria dizer, Lila, de tranqüilidade em saber que você cumpriu tudo que quis. Você teve a seu lado sua mulher, seus familiares e seu partido, e por fim, todo o povo.Não é uma cerimônia de adeus, Mário, é simplesmente a continuação de sua vida. Eu tive dificuldades hoje, como ontem, de dizer qualquer coisa. Pensei que não fosse agüentar, mas conversei com você no caminho e lembrei Dele. Nós estamos firmes, Mário, e vamos continuar assim. Descanse em paz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.