FHC deve desistir de vender Furnas para não beneficiar Itamar

O presidente Fernando Henrique Cardoso ainda não tomou uma decisão, mas deverá desistir da privatização de Furnas, informaram nesta terça-feira à Agência Estado dois ministros e dois líderes governistas.O problema é que a privatização vai ocorrer em pleno período de sucessão presidencial e prejudicará o candidato do Planalto no segundo maior colégio eleitoral brasileiro: Minas Gerais. "Não vamos viabilizar uma candidatura desastrosa para o País como a do governador Itamar Franco", disse um dos participantes da reunião realizada nesta segunda-feira, para discutir o modelo de privatização de Furnas. "O tema se politizou e está se prestando a um debate demagógico". O porta-voz do Planalto, Georges Lamazière, limitou-se a justificar que o presidente adiou a discussão, levando em consideração "questões relativas ao momento e às modalidades da privatização". O presidente Fernando Henrique está se convencendo de que perdeu o timing para deflagrar o processo. No Palácio, a culpa pelo atraso no cronograma de venda de Furnas é atribuída ao ex-ministro das Minas e Energia, Rodolpho Tourinho, que não deu andamento ao projeto.Com essa demora, pessoas que são a favor da privatização acabam se tornando contra. Esse é o caso, por exemplo, do ministro da Saúde, José Serra, por causa do timing da privatização, já que ele seria o principal prejudicado nesta discussão sobre a venda da empresa, que favoreceria Itamar. De acordo com o plano de ação governamental a venda de Furnas está marcada para o primeiro trimestre de 2002. Mas, com os atrasos normais neste tipo de processo, a privatização deveria ocorrer só no final do primeiro semestre, quando os debates dos candidatos estarão no auge e o Planalto acabaria municiando Itamar Franco, que tem como uma de suas bandeiras a manutenção de Furnas com o Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.