FHC defenderá venda de aviões da Embraer à Colômbia

O presidente Fernando Henrique Cardoso admitiu, na noite de sábado, em Punta Cana, na República Dominicana, que o governo sairá em defesa da Embraer para garantir a venda de 24 a 40 aviões turboélice EMB-314 Super Tucano para a Força Aérea Colombiana (FAC). O negócio, de US$ 234 milhões, foi desaconselhado pelo governo dos Estados Unidos, por meio de carta enviada pelo general James Hill, chefe do Comando Sul do Pentágono, à ministra da Defesa da Colômbia, Marta Lucia Ramírez Rincón.Dependendo da configuração eletrônica pretendida e do suprimento de componentes, mais as peças de reposição, o preço unitário do avião pode variar entre US$ 5 milhões a US$ 9 milhões.O pedido de apresentação de uma proposta de compra direta foi dirigido à embaixadora do Brasil em Bogotá, Maria Celina Rodriguez, pela ministra Marta Lucia no dia 7 de outubro. A carta do general James Hill é datada de 10 de outubro, três dias depois.Na República Dominicana, onde esteve para participar da 12ª Cúpula Ibero-Americana, o presidente Fernando Henrique afirmou ser "claramente contrário" à interferência norte-americana em questões comerciais que envolvam o Brasil. O presidente assegurou ainda que "vai brigar" para garantir que sejam comprados os aviões feitos pela Embraer."É lógico que seja assim", afirmou. "O governo do Brasil sempre tem saído em defesa dos interesses da produção nacional, seja entrando na OMC (Organização Mundial do Comércio), seja entrando no processo de negociação direta com outros países".Fernando Henrique lembrou que o governo está participando "direta e intensamente" do esforço da Embraer e outras empresas do País para participar do mercado da China. "Se necessário, vamos atuar ativamente nos entendimentos com relação à Colômbia, como atuamos nas discussões com a Venezuela e o Peru. O governo do Brasil tem instrumentos para isso e está pronto a entrar contra quem tiver de entrar em qualquer disputa comercial."Há pouco mais de dois anos, no início da fase de testes operacionais, o primeiro exemplar de pré-série do Super Tucano foi apresentado a Fernando Henrique pela Embraer e pela Força Aérea Brasileira (FAB). Em Punta Cana, Fernando Henrique esteve com o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, mas disse não ter conversado sobre o assunto, razão pela qual considera "não dispor de elementos concretos" para saber se está havendo interferência dos EUA na escolha da FAC. Todavia, segundo ele, se essa intervenção se caracterizar, "o Brasil pode entrar nessa guerra, elevando a questão ao nível presidencial".Uribe assegurou que ainda não tomou decisão sobre o avião que comprará para as tarefas de patrulha armada, ataque a guerrilha e treinamento de pilotos militares. "Não há nenhuma resolução sobre isso."O presidente colombiano destacou que, na área de Defesa, só discutiu com Fernando Henrique o compartilhamento de informações do Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam), que possam auxiliar no combate aos rebeldes colombianos.Ele afirmou que a aquisição dos aviões será analisada nas próximas semanas por ele, "com os Ministérios da Defesa e da área econômica".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.