FHC critica Lula por celebrar privatizações

Tucano afirma que seu sucessor dizia que medida era ruim para o País, mas agora a adota

Nalu Fernandes, O Estadao de S.Paulo

13 Outubro 2007 | 00h00

Carregando na ironia, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso festejou ontem, em palestra na Universidade de Colúmbia, a concretização de uma nova etapa de privatizações, concluída esta semana pelo governo brasileiro. "É maravilhoso que o presidente (Luiz Inácio Lula da Silva) esteja celebrando a privatização", disse FHC. Logo o ex-presidente abandonou o tom irônico para lançar farpas diretas contra o seu sucessor, em forte cobrança: "Ele se opôs todas as vezes (às privatizações nos governos FHC), dizendo que era ruim para o País. E agora celebra que está fazendo melhor que eu. Isso é maravilhoso", reiterou. Em sua palestra, o ex-presidente brasileiro desfiou queixas amargas sobre críticas que o então oposicionista Lula e seu partido, o PT, lhe fizeram enquanto ele ainda governava: "Quando eu estava no governo, o PT criticou tudo o que eu fiz. Então Lula chegou ao poder, e, para minha surpresa, passou a seguir tudo o que eu fiz", afirmou, arrancando aplausos da platéia. Os comentários foram provocados por observações do presidente Lula, publicados por jornais brasileiros, de que a atual administração opera o processo de privatizações melhor que a sua antecessora. FHC acrescentou que os principais partidos brasileiros têm sido incapazes de produzir presidentes da República. O maior partido, "que é o PMDB", destacou, "tem sido incapaz, até mesmo, de apontar um candidato para a Presidência". Para o ex-presidente, o momento atual é de pensar em políticas anticíclicas. Segundo ele, apesar do bom momento que o Brasil vive, pode-se estar minando o futuro do País. Ele alertou que os gastos públicos estão crescendo acima do PIB. "Há um aumento de 10% ao ano no Brasil e não é em investimento público, o que significa que é em pessoal", disse. FHC afirmou que "a questão não é ter um Estado pequeno, mas ter um Estado competente".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.