FHC critica ACM e chama ministro de trombone do bem

O presidente Fernando Henrique Cardoso criticou hoje o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), durante um discurso na abertura da 67ª Exposição Internacional de Gado Zebu (Expozebu), em Uberaba no interior de Minas Gerais. Demonstrando satisfação com o balanço feito minutos antes pelo ministro da Agricultura, Patrini de Moraes, sobre a pecuária, o presidente afirmou: "O Pratini é o trombone do bem; mostrou o que é bom para o Brasil e mostra, com energia, o que estamos fazendo."Ao chamar o ministro de "trombone do bem", Fernando Henrique referiu-se ao fato de ter dito, em outra ocasião, que ACM era um "trombone desafinado", depois que o senador baiano decidiu romper com o governo por considerar que o Palácio do Planalto havia contribuído para vitória do maior inimigo político dele, o atual presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA).Uma pequena manifestação de militantes do PT, PC do B e PSTU, por meio de faixas, pedia a criação de uma CPI para investigar corrupção no governo e o pagamento integral da correção do FGTS.O presidente disse que, em breve, o Brasil passará a ser o maior produtor e exportador de carne. "É esse o país que eu quero, nós queremos e estamos construindo", afirmou.O presidente preocupou-se em afirmar que o governo trabalha, apesar da expectativa, em conversas reservadas, sobre a crise no Senado. A inquietação do presidente foi exposta pelo presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG). "O Brasil real não pode ser esquecido e não pode ficar em segundo plano", afirmou. "Por isso, queremos uma resposta rápida para o que ocorreu no Senado porque não podemos permitir que só isso ocupe a atenção dos brasileiros."Ao ser perguntado sobre a situação do presidente de Jader Barbalho, acusado de envolvimento em irregularidades na Sudam, Neves disse defender a apuração de qualquer tipo de denúncia. "Não pedimos, exigimos a apuração", disse. "O que não podemos permitir é que objetivos meramente políticos paralisem o País, em busca de palanque para alguns."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.