FHC cria novos cargos para enfatizar área social

A nove meses do final do governo, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou a criação de novos cargos em sua administração, com objetivo de dar mais ênfase à área social e de prestigiar mais as mulheres. "Como esta é a última oportunidade que eu tenho de fazer uma renovação global dos rumos do governo, não gostaria de fazer essa renovação sem colocar muita ênfase na questão social", afirmou o presidente, ao informar que estava nomeando Solange Jurema para a nova Secretaria de Estado dos Direitos da Mulher e Dulce Pereira para ocupar uma assessoria ligada ao seu gabinete na Presidência para tratar das questões de raça."Precisamos dar uma atenção crescente às questões sociais, não apenas no sentido dos excluídos, mas também no sentido das maiorias que estão um tanto à margem, como é o caso das mulheres", declarou o presidente ao anunciar a nomeação de ambas. "É para reforçar a preocupação do governo com a questão da mulher", reiterou ele.Dulce Pereira, que irá para o cargo do professor Vilmar Faria, falecido no ano passado, ocupava há dois anos a presidência da CPPL - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, onde teve uma administração criticada por ter tentado aumentar seu próprio salário e contratar mais funcionários. Já Solange Pereira ocupa a presidência do Conselho dos Direitos da Mulher, órgão vinculado ao Ministério da Justiça, e deverá assumir as novas funções em alguns dias. "Acho que um país como o nosso já está atrasado em matéria de discutir a questão de gênero com prioridade." Fernando Henrique comunicou ainda a mudança do cargo da Corregedora-Geral da União, Anadyr de Mendonça Rodrigues, que passa agora ao posto de ministra-chefe da Controladoria Geral da União. "Vai ser a nossa xerife-interna, com poder amplo, com poder de fiscalização e de correção, sem qualquer interferência", disse. O presidente anunciou também a designação do ex-deputado Fábio Feldmann, para ser um assessor encarregado da questão do meio ambiente, em assessoria vinculada ao seu gabinete.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.