FHC conversa com Bush e visita embaixada dos EUA

O presidente Fernando Henrique Cardoso disse hoje, após assinar o livro de condolências pelas vítimas do ataque terrorista aos EUA, na Embaixada norte-americana em Brasília, que conversou esta manhã com o presidente George W. Bush, pelo telefone, quando expressou a solidariedade do povo brasileiro. Fernando Henrique disse ainda que saiu da conversa convencido de que os EUA compreendem que essa é uma guerra muito especial pois não é contra um povo, nem contra uma religião e, pelo menos até agora, contra um Estado. "É contra uma rede que se utiliza da fé para praticar atos terroristas".Fernando Henrique acrescentou que todas as religiões do mundo pregam a paz e seria um equívoco que algum povo seja responsabilizado coletivamente pelo desatino de alguns e afirmou também que acredita que essa distinção está sendo feita pelo presidente dos EUA, que ontem visitou uma mesquita. O presidente reafirmou, no entanto, que é preciso coibir de forma muito dura tudo que atentar contra os valores da democracia e da liberdade.No livro de condolências, Fernando Henrique deixou a seguinte mensagem: ?Em nome do povo brasileiro, deixo registrada a nossa solidariedade aos Estados Unidos da América diante da bárbara agressão terrorista, assim como expresso o mais profundo sentimento a todas as vítimas do infausto acontecimento?.Na primeira visita de um presidente brasileiro à Embaixada dos EUA em Brasília, Fernando Henrique estava acompanhado do ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, e do governador de Goiás, Marconi Pirillo. Junto ao livro de condolências foram colocadas duas fotos, uma das torres do World Trade Center e outra do Pentágono. Após assinar o livro e fazer seu pronunciamento, Fernando Henrique, teve um encontro particular com o secretário de negócios dos EUA, Christobal Borosco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.