FHC comandou corpo-a-corpo para mudar CLT

O presidente Fernando Henrique Cardoso comandou, pessoalmente, a força-tarefa do governo para arrebanhar apoio ao projeto que altera a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).Convocados pelo chefe para ajudar o Palácio do Planalto, ministros, políticos, representantes da equipe econômica, governadores e até o secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, entraram no corpo-a-corpo junto aos deputados.Recursos para emendasNo trabalho de convencimento, o argumento que mais pesou foi pragmático: quem votasse contra o Planalto não contaria com a boa vontade do governo na liberação de recursos para bancar as emendas orçamentárias destinadas a atender às bases eleitorais dos deputados.Decidido a realizar uma votação rápida, o presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), deu início à sessão às 18h01 e anunciou que o resultado seria conhecido às 18h44. Não foi.Num clima tenso, de suspense, o painel eletrônico entrou em pane, pondo abaixo os planos de Aécio de votar em seguida a proposta que restringe a imunidade parlamentar ao exercício do mandato.Uma vitória para a oposição, que comemorou a votação nominal do projeto da CLT, obrigando cada deputado a declarar ao vivo, na TV Câmara, sua posição. ?Isto vai valer ouro na campanha?, resumiu o petista José Genoíno (SP).ApressadinhosO defeito no sistema eletrônico de votação deixou em pânico os líderes do PFL, PSDB e PPB, que contavam com uma vitória, ainda que por pequena margem de vantagem.É que os deputados mais apressados registraram seus votos no e painel e foram embora, boa parte deles rumo ao aeroporto, de volta a seus Estados.Apesar de o projeto ter sido rejeitado em votação simbólica, o governo ainda apostava na vitória no painel. A diferença é que o sistema eletrônico registra cada voto, mas só exibe os nomes no placar final.Na miraBem diferente da chamada nominal, quando o parlamentar declara publicamente seu voto do microfone de apartes. Àquela altura, praticamente todo o governo já havia trabalhado para virar o voto dos rebeldes da base que, na véspera, forçaram os aliados a obstruir a votação e abandonar o plenário para evitar a derrota.Na mira dos ministros Francisco Dornelles, do Trabalho, e Pedro Malan, da Fazenda, os dissidentes do PMDB e PTB, que na véspera engrossaram maciçamente a ala da oposição, além de pefelistas descontentes com a proposta.A estratégia de enfrentar no voto as resistências à proposta que estabelece que acordos e convenções entre empresários e sindicatos de trabalhadores terão efeito de lei, foi definida logo cedo, em reunião dos governistas com Fernando Henrique no Palácio da Alvorada.Questão de honraA avaliação dos líderes e articuladores políticos foi que o projeto virou uma questão de honra para o governo. Era preciso reagir e lutar, até para mostrar força, porque um governo acuado entraria fragilizado em uma segunda batalha, que já está em curso e pode custar ao governo uma perda de receita estimada em R$ 3,5 bilhões no Orçamento de 2002: a correção da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).Depois dos tumultos e da troca de ofensas e agressões físicas que marcaram a sessão da véspera, alguns líderes da base chegaram a apelar para que Fernando Henrique retirasse a urgência da proposta. ?Vamos votar, eu quero saber quem está comigo, com quem posso contar?, decidiu o presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.