FHC apóia Alckmin e considera candidatura tucana irreversível

Serra defende candidatura de Kassab, mas o ex-governador de SP não abre mão de candidatura própria

REUTERS

30 de abril de 2008 | 13h18

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, um dos líderes nacionais do PSDB, disse nesta quarta-feira,30, que a candidatura de Geraldo Alckmin à prefeitura de São Paulo não tem volta e declarou seu apoio ao correligionário.  Veja também:  PT tem quatro pré-candidatos à prefeitura de Salvador PSB não abre mão do apoio de Aécio Neves em BH  Vereadores do PSDB resistem a ajudar AlckminO governador de São Paulo, José Serra, defende uma aliança em torno do atual prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), que conseguiu o apoio do PMDB de Orestes Quércia. Alckmin, no entanto, não abre mão da candidatura própria, que ganhou o apoio de FHC. "Ele não vai abrir mão da candidatura e estou com ele", disse o ex-presidente a jornalistas, no seminário de lançamento da Comissão Latino-Americana sobre drogas e democracia. Segundo FHC, não há um racha no PSDB, mas pode haver uma discordância de pontos de vista. "Isso não tem gravidade", afirmou. Fernando Henrique Cardoso defendeu uma disputa saudável entre Alckmin e Kassab no primeiro turno, que possibilite uma aliança no segundo turno, caso um dos dois não vá adiante na disputa. "Não são pessoas de um mesmo partido, são pessoas de partidos diferentes. Isso é normal. Agora, depende de como se faça a disputa para que haja no segundo turno uma reconciliação", disse. O ex-presidente criticou a decisão do PT de não permitir uma coligação com o PSDB na disputa à prefeitura de Belo Horizonte. Segundo ele, o PT deu sinais claros de "intransigência e intolerância". "É uma intolerância dizer com esse não me caso. Acho que essa atitude de alguns setores do PT é que faz com que seja um partido que não ajuda na construção de um caminho comum para o Brasil", afirmou FHC, acrescentando que o próprio presidente Lula já percebeu isso e mudou de atitude. (Por Rodrigo Viga Gaier)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.