FHC alerta para conseqüências econômicas do atentado

O presidente Fernando Henrique Cardoso disse que é provável que, diante da virulência do atentado cometido hoje contra os Estados Unidos, haja consequências em todo o mundo, principalmente econômicas. O Brasil poderá ser afetado, afirmou. "Mas o governo estará atento", disse. FHC reiterou que o Brasil é um país que ama a paz e que, além de ter na sua Constitução essa determinação, o povo brasileiro tem esse perfil. "É preciso criar condições para que sejam superados os conflitos", disse o presidente. Se não houver uma ação atenta do governo, as consequências podem ser maiores, ponderou.O presidente disse também que o governo determinou hoje de manhã a intervenção do Banco Central no mercado, para acalmar o sistema financeiro, já que não há nenhuma razão para uma preocupação maior neste momento. "Nós continuaremos a agir assim, de maneira firme e serena, para ultrapassar as turbulências que podem afetar o conjunto dos países, turbulências mais econômicas do que de outra natureza", afirmou. FHC disse que a população brasileira pode estar convencida de que o governo fará o que for necessário para manter o ritmo de atividade econômica. "Tudo o que puder fazer, faremos", disse. FHC afirmou que, neste momento, o governo vai trabalhar em convergência com outras instituições, citando Congresso e mídia, para que o Brasil possa "continuar sua caminhada de paz e progresso". O presidente disse que o Brasil, como parte do continente, repudia vivamente o terrorismo e considera que o que aconteceu hoje "mostra o destino da violência". Ele encerrou dizendo que o País estará empenhado na busca de formas de convivência universal que ponham um fim a essa ?marcha da insensatez?. Indagado se ele acredita que há uma terceira guerra mundial a caminho, como chegou a afirmar hoje cedo durante sessão de fotos, FHC respondeu: "Eu não acho isso".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.