FHC admite que PSDB e DEM terão candidaturas próprias em SP

'O candidato de meu partido, que provavelmente será o Alckmin, terá todo o meu apoio', disse o ex-presidente

Elizabeth Lopes, da Agência Estado,

26 de março de 2008 | 13h35

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) admitiu nesta quarta-feira, 26, que dificilmente o seu partido e o DEM, do atual prefeito Gilberto Kassab, farão aliança em São Paulo no primeiro turno das  eleições 2008. "É muito difícil convencer tanto o PSDB quanto o DEM a não lançar candidato próprio (à sucessão municipal em São Paulo)", destacou, após participar de uma conferência sobre marco regulatório, na manhã desta quarta-feira, na Fiesp. Veja também:  Kassab defende aliança DEM-PSDB para pleito em SP  Candidatura de Alckmin divide cardeais tucanos  E afirmou: "O candidato de meu partido, que provavelmente será o Alckmin (ex-governador paulista Geraldo Alckmin) terá todo o meu apoio, não tenham dúvidas disso." Apesar dos tucanos e democratas, tradicionais aliados nas últimas eleições presidenciais e estadual e municipal em São Paulo, caminharem para uma disputa com chapa própria em outubro deste ano na Capital, FHC acredita que isso não irá inviabilizar um eventual acordo no segundo turno. "É muito difícil um grande partido como o PSDB, tendo um candidato, não lançá-lo. Mas isso não significa ruptura, significa manter uma relação harmônica com aqueles (partidos) que eventualmente possam estar juntos no segundo turno", argumentou. Depois de um dia de reuniões na segunda em São Paulo para solucionar a crise no PSDB paulista, dividido entre a candidatura própria à prefeitura paulistana e o apoio à reeleição do prefeito Gilberto Kassab (DEM), o presidente nacional do partido, senador Sérgio Guerra (PE), disse ter obtido das duas principais lideranças do tucanato, o governador José Serra e FHC, , o compromisso de não prolongar mais a sangria interna e de engajamento total na candidatura do ex-governador Geraldo Alckmin. Serra e FHC sempre foram os maiores entusiastas da tese de apoio à reeleição de Kassab.  Namorador Questionado sobre a aproximação do governador tucano de Minas Gerais, Aécio Neves, com o PT, FHC brincou: "Dizem que ele é namorador". E frisou: "Eu gosto muito do Aécio e confio nele, eu acho que ele está fazendo algo que julga bom para ele, para o PSDB e para Belo Horizonte, ele tem lealdade com o PSDB, o resto é especulação. Ele conversou comigo e com outros (tucanos), deu suas razões e eu as entendi." Ainda sobre a tentativa de acordo entre PSDB com o PT em Belo Horizonte, o ex-presidente Fernando Henrique disse que não vê essa tentativa de Aécio "como algo que ele possa estar fazendo com vistas a dificultar a relação do PSDB no futuro", numa clara referência à sucessão presidencial de 2010, que tem colocado em pauta os nomes de Aécio e do governador paulista José Serra. Indagado se aprovaria o namoro de Aécio com o PT em Belo Horizonte, FHC retrucou: "Eu não sou pai dele."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.