FGV: 92,6% da população criticam lentidão da Justiça

Se fosse avaliada apenas pela celeridade com que analisa processos e soluciona conflitos, a Justiça seria reprovada em todas as regiões metropolitanas do País. É o que mostra o Índice de Confiança na Justiça (ICJ-Brasil), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), divulgado hoje. Nas sete regiões que compõem a pesquisa, mais de 90% das 1.598 pessoas entrevistadas criticam a velocidade de trabalho do Judiciário. Na média, 92,6% da população considera a Justiça lenta. Essa proporção chega a 93,1% no Rio de Janeiro e 94,6% em Brasília.

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

27 de abril de 2010 | 18h43

A avaliação de que o Judiciário peca pela morosidade, no entanto, não derrubou no primeiro trimestre a nota conferida à Justiça. Pelo contrário, houve avanço ante os três últimos meses de 2009, passando de 5,8 para 5,9 numa escala que varia entre 0 e 10. A alta, na avaliação da FGV, foi puxada pelo subíndice de percepção, que mede a opinião das pessoas sobre a Justiça. O item registrou no primeiro trimestre alta, passando de 4,7 para 4,9.

Outro subíndice que apresentou melhora foi o de comportamento, que estima o total de pessoas que ingressariam, caso necessário, na Justiça. O item subiu de 8,1 para 8,2 pontos. A coordenadora do ICJ-Brasil, Luciana Gross Cunha, observou que o indicador manteve a tendência verificada em 2009, de críticas quanto à morosidade do Judiciário, mas a imagem do poder melhorou junto ao público. "É possível perceber que, quanto maior é o acesso das pessoas à Justiça, melhor é a sua avaliação sobre ela."

A coordenadora salientou que, embora a imagem do Poder Judiciário tenha melhorado, a questão do acesso ainda é crítica entre a população. Mais da metade das pessoas entrevistadas pela pesquisa (58,3%) considera difícil ingressar com ações na Justiça.

A avaliação em relação à honestidade e imparcialidade do Judiciário é relativamente homogênea entre as capitais, com exceção de Porto Alegre, que possui um grau de desconfiança bem inferior ao das demais regiões metropolitanas. Na capital gaúcha, 59,5% dos consultados afirmaram que o Judiciário é nada ou pouco confiável. Na outra ponta, os mineiros são os que mais desconfiam do Judiciário, com 71,5%.

O ICJ-Brasil procurou avaliar, também, o grau de satisfação em relação ao Judiciário. Dentre os 1.598 entrevistados, 27,3% participaram de algum processo judicial nos últimos cinco anos. Desta amostra, apenas 4,2% afirmaram que ficaram muito satisfeitos com a atuação do Judiciário e 65,6% ficaram insatisfeitos ou pouco satisfeitos. Completam a estatística 30,3% do total, que afirmaram ficar satisfeitos com a atuação do Judiciário.

Tudo o que sabemos sobre:
pesquisaJustiçalentidãoFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.