Festa de Iemanjá agita Salvador

No agitado calendário do verão baiano, este domingo é dedicado à Iemanjá. O tradicional Dia 2 de Fevereiro, deve atrair mais de 100 mil pessoas ao Bairro do Rio Vermelho onde se concentra o culto ao orixá mais popular do Candomblé. Turistas e baianos depositam, pela manhã, os presentes para Iemanjá (perfumes, espelhos, bijuterias, flores, tudo que possa agradar uma mulher vaidosa) em balaios de vime num barracão armado ao lado da sede da colônia de pescadores. No final da tarde, os 350 balaios com os presentes são levados por 40 barcos para o alto-mar onde são depositados para a orixá.Organizada pelos pescadores há mais de 70 anos para agradar a rainha das águas devido a um período de pouca pesca, a festa acabou se ampliando e atraindo milhares de pessoas da Bahia e de fora do Estado. Além da parte religiosa a comemoração se espalha pelas ruas do Rio Vermelho onde o samba rola nas barraquinhas de bebidas e comidas típicas.O Bairro do Rio Vermelho foi colonizado antes mesmo da fundação de Salvador em 1549. O náufrago Diogo Alvares Correia, o Caramuru, foi resgatado pelos índios tupinambás numa das praias do bairro, o Mariquita, estima-se em 1510. Nessa época, a área era um porto de contrabandistas franceses que negociavam a compra de pau-brasil com os índios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.