Fernando Pimentel deixa ministério para disputar governo de Minas

Para comandar interinamente a pasta de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior assume Mauro Borges Lemos, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial

Erich Decat e Lisandra Paraguassu, Agência Estado

13 Fevereiro 2014 | 17h38

Brasília - A presidente Dilma Rousseff oficializou nesta quinta-feira, 12, a saída do ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Fernando Pimentel. Com isso, o petista fica livre para iniciar a pré-campanha ao governo do Estado de Minas Gerais. No lugar de Pimentel assume interinamente Mauro Borges Lemos, que ocupava a presidência da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

"A presidenta agradeceu a dedicação, competência e lealdade de Fernando Pimentel no comando do MDIC ao longo dos últimos três anos", diz trecho da nota oficial.

A saída de Pimentel ocorre na véspera de o PT realizar um evento em Belo Horizonte, com a presença do ex-presidente Lula, para marcar o início da pré-campanha ao governo do Estado. Segundo maior colégio eleitoral do país, Minas atualmente é comandada pelo governador Antônio Anastasia (PSDB), aliado do também mineiro e provável candidato à presidência da República, senador Aécio Neves (PSDB-MG). Na última segunda-feira (24), os tucanos anunciaram o nome do ex-ministro Pimenta da Veiga para a disputa estadual.

No último domingo, Fernando Pimentel antecipou ao Estado sua saída da pasta e revelou que a ideia é repetir em Minas as caravanas feitas pelo partido em São Paulo, onde o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha deve disputar as eleições de outubro.

"Na sexta, vamos lançar um programa de caravana em Minas Gerais, como foi feito em São Paulo, que é para construir o programa de governo da campanha deste ano", afirmou na ocasião. Segundo ele, a previsão é que pelo menos 30 cidades que contam com coordenações regionais do partido sejam visitadas nos próximos quatro meses.

Mais conteúdo sobre:
reforma ministerialPimentel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.