TV Câmara / Reprodução
TV Câmara / Reprodução

Fernando Holiday rasga ficha do DEM no plenário da Câmara

Uma das lideranças do Movimento Brasil Livre (MBL), vereador anuncia saída do partido

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2020 | 20h28

SÃO PAULO - Uma das principais lideranças do Movimento Brasil Livre (MBL), o vereador Fernando Holiday usou o microfone do plenário da Câmara nesta quarta-feira, 11, para anunciar publicamente sua saída do DEM. O parlamentar rasgou sua filiação durante a discussão de um projeto de lei que pretende limitar o serviço de transporte por aplicativos na capital.

O projeto é de autoria do vereador Adílson Amadeu, do DEM, e apoiado pela bancada. Holiday já havia comunicado ao diretório da sigla sua intenção e a filiação ao Patriotas, legenda que passou a ser comandada pelo MBL na capital.

“No plenário não houve nenhuma ameaça, mas nos corredores disseram que, devido ao gesto, o DEM pode me processar. Mas estou no prazo da janela partidária”, disse o vereador ao Estado. Procurado, o presidente do DEM, vice-governador Rodrigo Garcia, não se manifestou até o momento.

Em nota publicada no Facebook, a assessoria de comunicação do DEM afirmou que, caso já não tenha se desfiliado do partido, Holiday será expulso na manhã desta quinta-feira, 12. "Cabe ressaltar que o parlamentar só foi eleito em 2016 graças à coligação do DEM com PSDB, PSB e PP, em especial aos votos do Democratas. Sem eles, dificilmente teria conseguido uma das 55 vagas na CMSP", diz a nota.

A assessoria afirma que não é a primeira vez que Holiday se desfilia do DEM, pois ele já anunciou tal decisão antes em pelo menos outras duas vezes e depois voltou atrás. "Holiday mentiu ao dizer que rasgou a ficha de filiação do DEM, pois a mesma se encontra na sede do partido, na capital", completa.

Outro quadro do MBL, o deputado estadual Arthur do Val, mais conhecido como Mamãe Falei, filiou-se ao Patriota e será candidato à Prefeitura de São Paulo pela sigla. Ele também foi eleito pelo DEM, mas deixou o partido.

Do dia 5 de março ao dia 3 de abril os vereadores que disputarão a eleição municipal de 2020 podem trocar de partido sem correr o risco de perder o mandato por infidelidade partidária. A presidência da Câmara colocou na pauta do dia de hoje a primeira votação do Projeto de Lei (PL) 419/18, do vereador Adilson Amadeu, cuja principal proposta é equiparar o total de licenças para motoristas de aplicativo ao número de táxis em circulação na capital, que é de cerca de 40 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.