Fernando Henrique promete voltar a Mamirauá

Depois de três dias respirando o ar puro da Amazônia, longe dos problemas de segurança e das intrigas políticas, o presidente Fernando Henrique Cardoso retornou a Brasília. Encantado com a fauna e a flora que pôde apreciar, Fernando Henrique deixou a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, a uma hora e meia de lancha de Tefé (AM), prometendo voltar, assim que for possível, mesmo depois de deixar o Planalto.Esta foi a segunda vez que ele visitou o projeto, que já recebeu figuras ilustres como a do milionário norte-americano Bill Gates, em 1998. A reserva Mamirauá - maior área de várzea protegida no Brasil - é um dos passeios prediletos dos embaixadores, particularmente dos países europeus, que estão trabalhando em Brasília.A curiosidade gira em torno da primeira experiência que integra preservação e a comunidade local. Nos últimos anos estiveram lá os embaixadores da Alemanha, Reino Unido e da Austrália. Mamirauá, na língua Tupi significa filhote de peixe-boi.Na reserva, o presidente e seus 12 convidados ficaram isolados do mundo e sequer se preocuparam em ligar a televisão conectada a uma antena parabólica instalada no local. Depois de seguir a bordo do navio da Marinha, ao longo do rio Solimões durante mais de quatro horas, até chegar à reserva, eles fizeram um passeio em uma das trilhas ? a Mambira - cuidadosamente traçada para turistas.Lá, conheceram as principais espécies de árvores da região e os animais mais comuns - macacos uacari e prego. Fernando Henrique saiu para ver jacarés à noite e visitou o lago Mamirauá, onde conheceu as pesquisas realizadas sobre o boto vermelho e desenvolvimento sustentado. No lago, viu botos, pirarucus e pássaros. ?O presidente ficou encantado e elogiou muito o trabalho desenvolvido na região?, afirmou a coordenadora do projeto de ecoturismo Nelissa Peralta.No sábado, o presidente dormiu na pousada flutuante Uacari. Cada um dos 13 hóspedes pagou R$ 470 pelo pacote, que inclui hospedagem para duas noites, alimentação e os passeios. Durante sua permanência na pousada, o presidente conversou com dois turistas paulistas, mas não quis ser incomodado pela imprensa, que foi mantida afastada da reserva.No domingo, Fernando Henrique e D.Ruth preferiram dormir no navio fluvial Raposo Tavares, preparado para recebê-los. Familiares e amigos ficaram na pousada. Como ficou restrito à reserva, o presidente não viu que o preço do combustível na cidade de Tefé, que fica a 520 quilometros de Manaus e aonde se chega apenas de avião ou barco (dez horas de barco rápido a partir de Manaus), sofreu uma grande redução nos últimos meses. A gasolina chegou a ser vendida na cidade por mais de R$ 2,30 e já pode ser encontrada por R$ 1,45. O preço médio é de R$ 1,65 - mais barato do que em Brasília.Outra novidade na cidade é a telefonia celular, instalada há pouco mais de três meses. Já virou mania na cidade, mas ainda passa boa parte do tempo ?fora da área de serviço?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.