Fernando Henrique destaca crescimento da indústria

No discurso da reunião ministerial que faz o balanço do governo, o presidente Fernando Henrique Cardoso criticou as pessoas que dizem que a indústria brasileira está sucateada e observou que a produtividade industrial dobrou de 1989 até hoje. Disse ainda que o País hoje tem mais empresas com certificado ISO 9000 do que a Espanha e está quase empatando com a Coréia do Sul, além de estar aumetando a competitividade no comércio exterior. Diante destes dados, segundo o presidente, só se pode dizer que há sucateamento se o crítico estiver se baseando "no retrovisor", referindo-se aoas defensores de modelos de desenvolvimento do passado com forte apoio do Estado.DesempregoO presidente afirmou que o governo adotou medidas para evitar que o desemprego explodisse após as crises internacionais. "O nível é alto mas não houve a explosão", comentou, lembrando que em 1998 o índice chegou ao pico de 7,6% e ficou em 6,2% no ano passado. Na Espanha, informou, o nível chegou a 13% em 2000, ficou em 9,3% na Itália e em 5,6% nos Estados Unidos.AgriculturaFernando Henrique destacou ainda o desempenho da agricultura que expandiu a produção de grãos sem aumento de área e reduziu seus custos tornando os produtos brasileiros mais competitivos. Ele ressaltou o Centro-oeste "onde a dinâmica se fez presente com mais força". Esse trabalho, segundo o presidente, teve grande participação da empresa e foi auxiliado por obras como a da ferrovia Ferronorte, que barateou o transporte da safra do cerrado para os portos de Santos e Sepetiba. Disse também que o governo auxiliou a agricultura com as sucessivas renegociações de débitos. "Renegociamos dívidas de agricultures ?paxorrentamente? (pacienciosamente)?.Sistema energéticoO presidente Fernando Henrique Cardoso assegurou que irá lançar ainda no seu governo o edital de licitação para a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. "Estamos precisando de energia e a matriz energética do Brasil vai ser hídrica", afirmou o presidente. Ele reconheceu que houve erros na condução da política energética no País, principalmente na sinalização do modelo adotado ao mercado.Ressaltou, no entanto, que os investimentos no setor estão sendo retomados e que neste ano haverá um aumento de 9 mil MW na oferta de energia no País. Lembrou ainda que a solução para a crise de energia foi bem sucedida porque enfrentou o problema "de maneira aberta", da mesma forma que enfrentou a inflação, disse. "Controlamos a crise sem apagão", afirmou FHC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.