Fernando Henrique cobra PSDB unido

Sob essa condição, diz ex-presidente, haverá 'tempestade de votos' no partido e volta de tucanos ao Planalto

Eugênia Lopes e Ana Paula Scinocca, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2007 | 00h00

O encerramento do 3º Congresso Nacional do PSDB foi marcado ontem por críticas ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela cobrança de unidade partidária para que os tucanos voltem a assumir o Palácio do Planalto em 2011. A exemplo da véspera, coube ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso o discurso mais contundente.Ele disse que Lula não soube aproveitar a "herança bendita" deixada por sua gestão e desperdiçou tempo com "bazófias". "Tudo que está aí posto foi feito no meu governo, do Itamar Franco e do José Sarney também. E o Lula pensa que é o Pedro Álvares Cabral e descobriu o Brasil." Ele acusou o sucessor de ter escolhido o caminho dos escândalos em detrimento do "trabalho e do estudo" e refutou a tese de que o PSDB é o partido das elites. "Nunca vi no povo o preconceito contra quem estuda. É o preconceito de uma elitezinha apressada que se aboletou no poder e agora quer aboletar os bolsos com o dinheiro do poder", atacou. "O PSDB pode governar porque sabe governar, não é só fazer demagogia, não é só ter votos, mas saber o que fazer com os votos."Ao lado dos governadores José Serra (SP) e Aécio Neves (MG), principais presidenciáveis do PSDB, ele defendeu a união para o partido voltar à Presidência. "A condição (para a vitória) é a união", pregou. "Estamos aqui todos juntos para fazer um verão e que, deste verão, haja uma tempestade de votos no PSDB no ano que vem e em 2010."Em sua fala, Fernando Henrique previu que a crise na economia norte-americana deverá respingar no Brasil. "A tempestade lá fora pode reproduzir um chuvisco aqui. Talvez a época das vacas gordas esteja para desaparecer. Mas não temos medo, pois já governamos em épocas de vacas magérrimas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.