Fernando Henrique aconselha Serra a se mexer

A disputa interna do PSDB para a escolha do candidato à sucessão presidencial deixou de ser meramente política e tornou-se aritmética.Preocupado com os efeitos da movimentação do governador Tasso Jereissati (CE) em busca de votos dos tucanos, o ministro José Serra, da Saúde, foi obrigado a alterar sua estratégia.Segundo seus interlocutores, ele deverá reservar o mês de janeiro, quando os parlamentares estarão em seus Estados, para ampliar seu espaço e viabilizar sua pré-candidatura.?Movimente-se também?, aconselhou o presidente Fernando Henrique Cardoso a Serra, diante das articulações de Tasso. Na avaliação de dirigentes do PSDB, o próprio Serra teria percebido que a escolha de seu nome para a sucessão presidencial não depende apenas do desejo de Fernando Henrique. O ministro da Saúde terá que disputar os votos.Sabendo disso, Serra começou a atender grupos de até 15 deputados por dia, além de reforçar sua presença em eventos partidários.Na próxima semana, o ministro da Saúde estará em Belo Horizonte, para participar de um encontro com o PSDB mineiro, que, hoje, homenageia o governador Tasso Jereissati.As principais lideranças de Minas, como o ministro Pimenta da Veiga (Comunicações) e o presidente da Câmara, Aécio Neves, estarão com Tasso que, à noite, fará palestra a empresários na Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais.Aécio Neves defende, inclusive, que o PSDB elabore um roteiro de visitas dos pré-candidatos, inclusive de outros partidos da base aliada, para que eles possam debater suas idéias.A expectativa dos tucanos é que o quadro sucessório dentro do PSDB ganhe nitidez a partir de meados de fevereiro, depois que os parlamentares retornarem do recesso.As principais lideranças, por sua vez, tentarão evitar que a escolha seja feita em pré-convenção partidária. O próprio Fernando Henrique está preocupado com as conseqüências do eventual fracasso do acordo político entre os tucanos.?Se porventura houver disputa, o presidente quer evitar dissidências. Ele quer ganhar as eleições?, disse um líder tucano. O presidente do PSDB, deputado José Aníbal (SP), admite que o debate em torno dos critérios e da data para a escolha do candidato tucano poderá ser travado pela Executiva Nacional, na reunião da próxima terça-feira.Em função do clima acirrado entre os partidários de Tasso e Serra, o PSDB está longe de obter consenso. ?A situação chegou a um ponto que, quanto mais rápido conseguirmos uma solução, melhor?, afirma o presidente do PSDB mineiro, deputado Danilo de Castro.O líder do PSDB na Câmara, Jutahy Magalhães Júnior (BA), disse que, definido o critério e a data da escolha do pré-candidato, José Serra anunciará quando deixará o governo para dedicar-se exclusivamente à campanha.Na condição de pré-candidato, Serra estará liberado para tratar dos mais diversos assuntos. Jutahy entende que não seria positivo para o partido estender ao máximo o ambiente de indefinição, uma vez que poderia dificultar a unidade partidária necessária para ganhar as eleições e negociar os apoios de outros partidos ao candidato tucano.

Agencia Estado,

21 de novembro de 2001 | 19h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.