Férias de Lula alteram rotina de moradores do Guarujá

A visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Forte dos Andradas, no Guarujá, alterou a rotina dos moradores do local. O presidente e a primeira-dama, Marisa Letícia, chegaram na noite da sexta-feira para um descanso de dez dias. Durante o final de semana, a portaria do quartel tornou-se atração para turistas e curiosos. Porém, ninguém o viu, nem de perto, nem de longe. Os que tentaram se aproximar pelo mar foram barrados a mais de três quilômetros. O único que teve acesso foi o irmão mais novo do presidente, Germano Inácio da Silva, que não o via desde setembro, e que entrou com o filho, Nathan, de 10 anos. Uma hora depois, Germano saiu sem notícias, frustrando o grupo de turistas e curiosos que se juntou à sua volta. Disse que o irmão-presidente tinha saído para pescar em alto mar e que os oficiais prometeram buscá-lo em casa, assim que ele retornasse. Segundo ele, os outros irmãos também devem aproveitar as férias do presidente para visitá-lo. Até mesmo Jackson, que mora em Mongaguá e, às vésperas do segundo turno das eleições, declarou que votaria em Geraldo Alckmin. "Acho que ele já se arrependeu da bobagem que disse", comentou Germano. Na manhã desta segunda-feira, o metalúrgico aposentado Alírio Nogueira da Luz, de 58 anos, foi impedido de realizar o trabalho de reflorestamento no Morro do Manduba, nas imediações do forte. Ele foi retirado do local por militares responsáveis pela proteção do presidente. Luz disse que realiza esse plantio quinzenalmente, desde que se mudou para o Guarujá, há cinco anos. De acordo com o aposentado catarinense, ele já teria plantado mais de cinco mil mudas nesse período e, para isso, conta com a ajuda dos moradores da região. Apesar de ter sido retirado do alto do morro por cerca de quatro militares, o aposentado não desistiu de sua missão. "Amanhã vou voltar e plantar mais, se pensam que sou terrorista, digo que a enxada é minha arma e as sementes são a minha munição", afirmou.

Agencia Estado,

08 Janeiro 2007 | 10h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.