Feriado prolongado pode fazer abstenção atingir recorde

Especialista prevê que índice de ausências pode chegar a 22%, mas não há risco de interferência no resultado da votação

Moacir Assunção, de O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2010 | 15h21

SÃO PAULO - As campanhas de Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) contam com aumento da abstenção hoje em relação ao primeiro turno, quando 24,6 milhões de pessoas não votaram. Especialista no assunto, o professor da Universidade Federal de Pelotas Dejalma Cremonese calcula que o índice fique próximo de 22%, por vários motivos, como o fato de muitos governadores já estarem eleitos, assim como todos os senadores e deputados. Além disso, o segundo turno coincidiu com o feriado prolongado por conta do Dia de Finados. "Entretanto, isso não será capaz de mudar os resultados da eleição."

 

Cremonese afirma que o aumento da abstenção é comum da primeira para a segunda rodada de votação. Segundo ele, o porcentual de brasileiros que deixaram de votar em 2002, na primeira eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, passou de 18% para 21% entre o primeiro e o segundo turnos. Em 2006, o índice subiu de 18% para 20%.

 

Este ano, em princípio, a campanha de Serra enfrentaria mais problemas porque é o público de classe média - simpático ao PSDB, de acordo com as pesquisas - que deve viajar no feriado. Em Brasília, porém, a abstenção preocupa mais o PT, porque seu eleitor médio é, majoritariamente, funcionário público e também deve viajar.

 

Além disso, os índices mais altos de abstenção devem ser registrados no Norte e Nordeste, regiões onde Dilma esteve à frente no primeiro turno e nas quais manteve a dianteira, segundo as pesquisas. Em contrapartida, o Sul, onde a campanha tucana aposta em boa votação, foi a região do País com menor índice de ausências no primeiro turno.

 

O cientista político Jairo Nicolau diz que tradicionalmente o porcentual de abstenção é maior em áreas pobres. "O feriado pode compensar isso, mas nada que altere em mais de 1% o resultado eleitoral", afirma. "Não deve haver efeito devastador, sobretudo porque Dilma abriu uma vantagem maior."

 

Sete dos 21 Estados que comemorariam na quinta-feira o Dia do Servidor transferiram o feriado para sexta ou segunda, prolongando a folga de terça, Dia de Finados. Nos Estados governados pelo PSDB, porém, o Dia do Servidor foi transferido para mais longe da eleição.

 

Em São Paulo, o governador Alberto Goldman passou a comemoração para o dia 11 - mesmo assim, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) estima que 1,6 milhão de veículos deixarão a capital neste fim de semana. No Rio Grande do Sul, Yeda Crusius também mudou os festejos para o dia 11. Em Minas, Antonio Anastasia escolheu o dia 25. Todos os governadores tucanos negam que as alterações tenham como objetivo estimular o comparecimento às urnas.

 

As duas campanhas à Presidência estimularam, nas últimas semanas, a ida dos eleitores às urnas. Pelo PT, o próprio presidente Lula apareceu no programa de TV pedindo aos eleitores que não deixem de votar. "Vote e lembre a seus parentes e amigos da importância de votar", disse.

 

Na campanha de Serra, inicialmente atores apareceram pedindo que as pessoas só viajassem no feriado depois de votar. O candidato chegou a brincar sobre o assunto em Araraquara (SP): "Perca um feriado e ganhe um feliz Ano Novo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.