Feriado deve esvaziar votações no Congresso

Depois de sucessivas semanas de turbulência política, o Congresso Nacional deverá ter uma semana de trégua, graças ao esvaziamento provocado pelo feriado da Semana Santa. O presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), marcou sessões deliberativas na terça e na quarta-feira, mas dificilmente haverá deputados em número suficiente para examinar as matérias da pauta de votação. Além disso, há o impedimento provocado pelos projetos de lei complementar que regulamentam os fundos de pensão públicos e privados, que necessitam de metade mais um dos integrantes da Casa para serem aprovados. Como tramitam em regime de urgência, as propostas impedem que outras matérias sejam votadas antes. Para o líder do governo na Câmara, deputado Arnaldo Madeira (PSSDB-SP), esse tipo de pausa é importante porque abre espaço para que as lideranças se entendam sobre questões pendentes. "A agenda estava tão corrida que não sobrava espaço para conversar", disse. Sem a preocupação com o plenário, no entender do líder, será possível acertar a instalação das comissões que vão examinar emendas constitucionais - uma que regulamenta o sistema financeiro do País e outra que trata do imposto sobre os combustíveis importados. Madeira anunciou para o dia 25 a retomada da votação da emenda que limita o uso de medidas provisórias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.