Felix só falará sobre espião depois de reunião com Lula

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Armando Felix, disse hoje que só falará sobre a suspeita da existência de um espião no Palácio do Planalto depois de conversar com o preidente Luiz Inácio Lula da Silva, hoje à tarde. "Depois de falar com o presidente, talvez possamos dizer alguma coisa. É uma questão de ética e de respeito ao presidente", disse o ministro, depois de participar do seminário "Inteligência e Criminalidade de Massa", realizado na sede da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A denúncia da existência de um espião no Planalto foi levantada pela revista Veja, em sua última edição. No discurso de abertura do seminário, o ministro defendeu a diretoria da Abin "pelo esforço realizado por todos para fazer com que a inteligência de Estado não seja propriedade apenas da Abin". Segundo o general, a agência é "filha do tempo democrático" e participa das aspirações, preocupações e expectativas da sociedade brasileira. Segundo ele a inteligência é a atividade que mais dá ferramentas eficazes ao combate a criminalidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.