André Dusek/AE
André Dusek/AE

Feliciano rejeita renúncia; Henrique Alves diz que situação é 'insustentável'

Presidente da Câmara cobrou o PSC da saída do pastor da presidência Comissão dos Direitos Humanos e prometeu solução até terça-feira

Eduardo Bresciani, O Estado de S. Paulo

21 de março de 2013 | 10h59

Texto atualizado às 12h33

SÃO PAULO - O deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) afirmou nesta quinta-feira, 21, em entrevista à Rádio Estadão, que não vai renunciar "de maneira alguma" a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara.

Por outro lado, o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), classificou como "insustentável" a situação do colegiado, que está em guerra desde a eleição do pastor como presidente. Alves prometeu uma solução para o caso até terça-feira. Ele tem cobrado do PSC a saída de Feliciano do cargo, mas o pastor se recusa a renunciar.

"Do jeito que está se tornou insustentável a situação. Eu asseguro que será resolvida até terça-feira da semana que vem", afirmou Alves. Ele disse ainda que o clima de "radicalização" não pode ser aceito na Casa e assumiu a responsabilidade por encontrar uma saída para o impasse. "Agora passou a ser também responsabilidade do presidente da Câmara dos Deputados".

Ao Estado, Feliciano minimizou os protestos dos quais tem sido alvo, que o acusam de ter posturas homofóbicas e intolerantes, e disse representar "mais de 50 milhões de evangélicos diretamente, mais um sem-número de pessoas e de famílias que têm a mesma visão que eu".

Na quarta-feira, 20, o pastor foi alvo de manifestantes teve que deixar o local após oito minutos de sessão. Ele minimizou a presença dos ativistas, a quem definiu como "vinte e poucas pessoas gritando, promovendo bagunça, dizendo que estavam ali para tumultuar" e afirmou que "isso não vai acontecer mais".

Feliciano que é "praxe" o presidente da Comissão se retirar em sessões que promovem audiências públicas e afirmou que a imprensa foi "sensacionalista" ao divulgar o fato.

Estelionato. Em relação ao processo por estelionato a que responde no Supremo Tribunal Federal - ele teria recebido R$ 13 mil por um culto que não ministrou no Rio Grande do Sul - Feliciano afirmou já ter depositado em juízo o valor, com juros, e se disse vítima de uma tentativa de extorsão.

"Eu adoeci, não pude ir. (..) Minha equipe ligou e eles disseram que iam remarcar o evento. Ficamos aguardando remarcar e o evento não foi remarcado. Quando tentamos entrar em contato, já haviam feito um processo gigantesco, quase uma extorsão, pedindo um milhão de reais", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.