Feldmann confirma candidatura ao governo de SP pelo PV

Atenções do PV se voltaram para ele assim que a sigla decidiu que tentaria construir candidaturas próprias nos Estados

Clarissa Oliveira, de O Estado de S.Paulo

29 de março de 2010 | 19h31

O ex-deputado Fabio Feldmann confirmou nesta segunda-feira, 29, que será candidato ao governo de São Paulo pelo PV, reforçando o palanque da senadora e pré-candidata ao Planalto, Marina Silva (PV-AC), no maior colégio eleitoral do País. O nome do ex-deputado já vinha sendo ventilado há vários meses dentro da legenda, mas somente nos últimos dias ele deu uma resposta formal ao convite.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif'Minha candidatura é irrevogável', diz Skaf

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifSuplicy desiste e anuncia apoio a Aloizio Mercadante

 

As atenções do PV se voltaram para Feldmann assim que a sigla decidiu que tentaria construir candidaturas próprias em todos os Estados brasileiros, para montar uma rede de apoio à candidatura presidencial de Marina. Em São Paulo, a prioridade era encontrar um nome com experiência eleitoral e visibilidade.

 

Feldmann está afastado da política desde 1998, quando encerrou seu último mandato de deputado federal. Autor do capítulo da Constituição que trata de meio ambiente, ele passou os últimos anos se dedicando a atividades de consultoria. "A vinda de Marina Silva para o PV, associada a questões como o novo status da mudança do clima e da economia verde, exigiram uma mudança na postura do PV. Isso tudo justifica a construção de uma candidatura forte em São Paulo", disse o ex-deputado.

 

Diante da perspectiva de enfrentar o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o senador Aloizio Mercadante (PT), Feldmann disse ver a oportunidade de romper o modelo de eleição polarizada entre tucanos e petistas no Estado. "Temos consciência de que será um desafio grande, mas isso legitima tanto a candidatura de Marina como a minha. Vamos impedir essa proposta de eleição plebiscitária", afirmou. "Nossa candidatura se coloca justamente para alargar esses horizontes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.