Feldman: crítica de tucano contra Marina é 'preconceito'

O deputado federal Walter Feldman, atualmente filiado ao PSDB de São Paulo, mas que tem se empenhado para a criação da Rede Sustentabilidade, criticou as declarações do deputado estadual Ademar Traiano (PR), membro da Executiva Nacional do PSDB, de que o desempenho da presidente Dilma Rousseff (PT) pode comprometer as chances de outra mulher assumir o mais alto posto do País, numa referência à chance de Marina Silva assumir o Palácio do Planalto. "Quando eu li a matéria levei um susto com a interpretação dele. É um voo ousado que o deputado faz porque mistura a avaliação sociológica, política e comportamental para avaliar o que pode acontecer nas próximas eleições", disse Feldman, com exclusividade ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

CARLA ARAÚJO, Agência Estado

22 de agosto de 2013 | 20h58

"Ele (Traiano) faz uma avaliação política tendo em vista aquilo que é um desejo dele de ver o candidato do PSDB disputando com Dilma", afirmou. Também em entrevista exclusiva ao Broadcast Político, Traiano afirmou que a presidente "não convenceu os brasileiros", por isso acredita "que no momento do voto essa avaliação será feita: da capacidade de uma nova mulher poder gerir o comando do País. É o que eu falei sobre vivência, habilidade, poder dialogar com partidos, tudo isso tem influência. Eu acho que a população brasileira não faria mais uma aposta neste sentido."

Feldman diz concordar com algumas críticas à gestão da presidente, no entanto, frisou que isso, de forma alguma, tem relação com o fato dela ser mulher. "Todas as críticas que temos com relação à gestão da Dilma não se dão por conta do gênero. Ela não é mais ou menos porque é mulher. Essa é uma ponderação que na política não é mais passível de aceitação."

De acordo com o deputado, a posição de Traiano é absolutamente pessoal, pois a avaliação do PSDB é que as mulheres têm o direito de comandar e estar em qualquer nível político. "É (um pensamento) absolutamente pessoal (de Traiano). Pode ter figuras políticas em todos os partidos que tenham essa visão, mas é uma visão preconceituosa", reforçou Feldman.

Ao contrário do que pregou Traino, Feldman acredita que o eleitor brasileiro não fará avaliações de gênero nas próximas eleições. "A sociedade lutou para diminuir as diferenças e tem mostrado nas ruas que quer gente competente e honesta para contribuir com as mudanças necessárias", avaliou.

Feldman também criticou as afirmações do correligionário em relação à competência de Marina para assumir o posto de presidente do Brasil. "Ele falou que ela não tem bagagem, mas isso também é um argumento ultrapassado. Ela foi vereadora, senadora, ministra do meio ambiente com resultados incríveis na sua pasta. Ela tem a bagagem como parlamentar e como executiva. A Dilma quando assumiu não tinha nenhuma experiência parlamentar. E o Lula não tinha absolutamente nada e foi presidente por oito anos", afirmou.

"Tentam passar a ideia de que Marina só tem visão ambiental, mas hoje o centro do programa da Rede é a questão da sustentabilidade em todas as políticas públicas. Ela não se propõe a mudar apenas a realidade do dia a dia, ela quer construir uma sociedade para as próximas gerações", rebateu Feldman.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.