Federação protesta contra o fim do diploma para jornalista

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e sindicatos pretendem realizar uma série de eventos em todo o País em protesto contra a liminar que acaba com a exigência do diploma específico para o exercício da profissão de jornalista. A medida que dispensa a necessidade do diploma foi concedida esta semana pela juíza Carla Rister, da 16ª Vara Cível da Justiça Federal em São Paulo. Nesta sexta-feira, integrantes do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo e estudantes de jornalismo devem definir quais as ações que devem ser feitas no Estado.A presidente da Fenaj, Beth Costa, informou que a Justiça prorrogou o prazo para a entidade apresentar o agravo de instrumento, recurso que pode derrubar a liminar. "Devemos ter pelo menos mais 20 dias para apresentar o recurso." Para ela, a liminar coloca em risco não só a profissão de jornalista, mas de todos os profissionais da área de humanas. "Seguindo o raciocínio da liminar, um historiador não precisaria cursar História", disse. Ela acredita que a exigência de um diploma específico para o jornalista não fere a liberdade de expressão.A Associação Nacional de Jornais (ANJ) tem avaliação diferente da decisão da juíza Carla Rister. O presidente da entidade, Francisco de Mesquita Neto, disse hoje esperar que a liminar seja confirmada. "Não somos contrários ao curso de Jornalismo, mas achamos que a obrigatoriedade do diploma limita de forma considerável a contratação de profissionais de outras áreas, que poderiam ser ótimos jornalistas", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.