Fazendeiros vão marchar ao encontro do MST no Sul

Os produtores rurais da zona sul do Rio Grande do Sul decidiram responder à marcha do MST, que caminham de Pantano Grande para São Gabriel, com outra marcha, que partirá no sentido contrário. O presidente do Sindicato Rural do município, José Francisco Costa, não informa a data de início do deslocamento alegando motivos estratégicos.A decisão dos ruralistas acirra ainda mais os ânimos na região. Uma audiência pública convocada pela Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembléia Legislativa não foi capaz de apaziguar as partes nesta terça-feira. Ao final do encontro, o presidente da Federação da Agricultura no Rio Grande do Sul (Farsul), Carlos Sperotto, ofereceu-se para convencer os ruralistas de São Gabriel a desistirem da marcha e impôs como condição que o líder do MST, Mário Lilll, fizesse o mesmo com os sem-terra. Lill não aceitou, alegando que não há motivos para alguém temer o MST. A polêmica de São Gabriel começou quando o governo federal anunciou a desapropriação de 13,2 mil hectares de cinco fazendas do agropecuarista Alfredo Southall. O proprietário conseguiu uma liminar do STF suspendendo o processo de desapropriação. O MST resolveu contestar com a caminhada de 800 militantes. Temendo invasões, os fazendeiros patrulham as propriedades dia e noite. A Brigada Militar já anunciou o reforço do contingente na região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.