Fazendeiros pedem providências contra invasões de índios no MS

Fazendeiros de dois municípios de Mato Grosso do Sul estão temendo novos ataques dos índios da nação Terena e pedem providências para todas as autoridades no Estado. Os indígenas já invadiram cinco fazendas em Dois Irmãos do Buriti e Sidrolândia, que ficam a 100 quilômetros de Campo Grande. Sete das 12 famílias que viviam nos imóveis invadidos estão acampadas em barracas de lona plástica fora das propriedades, segundo garante o presidente do Sindicato Rural de Sidrolândia, Valdo Antonio Nantes Coelho. As demais famílias estão abrigadas em casas de parentes e amigos.Fazendas da área são reivindicadas como sendo terras indígenas. No fim de 2001, um laudo antropológico elaborado pela Fundação Nacional do Índio (Funai) traçou a história da aldeia e delimitou o território que teria pertencido a antepassados dos terena, mas ainda não há uma definição em relação às terras. Hoje pela manhã, os deputados estaduais aprovaram moção de protesto contra as ações da Fundação Nacional do Índio (Funai), em razão das recentes invasões promovidas por índios. O documento ressalta que "a Funai desvirtua a sua função legal, deixando de cumprir as normas básicas do ordenamento jurídico, para se tornar um instrumento gerador de conflitos na área rural (...), se dobra à vontade de grupos que usam da comunidade indígena como massa de manobras, para praticar a ilegalidade". Os produtores estão se organizando e pedindo às autoridades que consigam permissão para que eles entrem nas fazendas para colher o que plantaram, alegando que precisam comercializar a produção para pagamento de dívidas. Disseram que, se a colheita não acontecer, logo a perda será total. Além da soja e do milho, outras culturas também estão abandonadas. Na Fazenda Buriti, por exemplo, há 16 mil pés de laranja que precisam de tratos, como capina e aplicação de fertilizante. Existem ainda 26 mil pés de tomate em fase de crescimento, hortaliças e variedades de legumes. Em outras três fazendas invadidas estão 1.300 bovinos em situação precária.As invasões começaram no dia 22 de fevereiro deste ano e continuam acontecendo. Amanhã um grupo de 100 fazendeiros terá audiência no Ministério Público Federal, quando solicitarão o despejo dos invasores ou pelo menos autorização para retirar móveis, utensílios domésticos, animais e realizar colheitas. As propriedades ocupadas pelos indígenas são a Fazenda Buriti, Recanto do Sabiá, Nossa Senhora Aparecida e São Sebastião, em Dois Irmãos. Em Sidrolândia, os índios invadiram a fazenda Santo Antonio. Todas elas com documentação completa e legal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.