Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Fazendeiros fecham estrada em protesto contra índios

Mais de cinco mil fazendeiros interromperam hoje pela manhã a rodovia que liga Iguatemi a Japorã, no extremo-sul de Mato Grosso do Sul. O ato faz parte de um protesto contra a invasão de 14 fazendas por índios, na região. A manifestação foi acompanhada por cerca de 300 policiais civis, militares, da Polícia Federal, membros do Ministério Público Federal e Justiça Federal.As áreas invadidas somam 7,8 mil hectares, que foram tituladas pelo governo Getúlio Vargas aos fazendeiros, que atualmente estão sendo obrigados a entregar os imóveis para os índios. As invasões, que começaram em 22 de janeiro, marcaram vários conflitos entre índios e fazendeiros de Iguatemi e Japorã, na divisa com o Paraguai.Até o início da tarde, não houve conflito na manifestação, devido ao policiamento e à presença de poucos índios nas proximidades. Fazendeiros discursaram, gritaram palavras de ordem e disseram estar inconformados com a perda de suas fazendas.Os 7,8 mil hectares serão integrados à Aldeia Porto Lindo, que fica em Iguatemi, e tem 1,6 mil hectares. Até o final deste mês, estará pronto o laudo antropológico, que prova ser as terras dos índios guaranis-caiovás. Os fazendeiros querem receber indenização não apenas da terra bruta, mas também das benfeitorias.Segundo o presidente da Federação da Agricultura de Mato Grosso do Sul, Leôncio Brito, já existe documentação suficiente, entregue ao presidente da República, reivindicando o pagamento das benfeitorias, em caso de desapropriação de áreas indígenas.Leôncio disse que a luta continua em defesa do bem-estar no campo. Segundo ele, os produtores rurais estão sendo amargamente sacrificados pelos índios e sem-terra. "Estamos perdendo, muito rápido, a paz no campo", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.