Fazendeiro participou da chacina dos sem-terra, diz delegado

O delegado Wagner Pinto, que preside o inquérito sobre o assassinato de cinco integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-terra (MST), em Felisburgo (MG), vai indiciar o fazendeiro Adriano Chafik Luedy por homicídio qualificado e tentativa de homicídio. Segundo a polícia, o proprietário da Fazenda Nova Alegria, em Felisburgo, não só foi o mandante como participou da ação na qual cinco sem-terra foram mortos e outros 13 feridos. Ele arquitetou e também participou da ação criminosa", afirmou o delegado. A prisão temporária de Chafik já foi decretada pela Justiça, mas ele está foragido. Equipes da Polícia Federal realizavam operações no sul da Bahia, onde o fazendeiro possui outras propriedades rurais. Diante da repercussão do caso havia a expectativa de que ele pudesse se apresentar espontaneamente à polícia.O delegado confirmou que ao todo estão sendo cumpridos oito mandados judiciais de prisão temporária. Ele não revela todos os nomes, mas além do fazendeiro, está sendo procurado também seu sobrinho, o ex-policial, Calixto Luedy Filho, e Hamilton Santos, conhecido como Baiano, apontado como responsável pela contratação de pistoleiros. "Já está confirmada a participação deles na chacina", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.