Fazendeiro é suspeito de mandar matar casal no Pará

A morte do casal de ambientalistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo, assassinado a tiros por pistoleiros no dia 24 de maio, no assentamento Praialta Piranheira, em Nova Ipixuna (PA), está praticamente desvendada pela polícia estadual. O principal suspeito do crime é um fazendeiro conhecido por José Rodrigues, que teve a prisão preventiva solicitada à justiça da comarca de Nova Ipixuna.

CARLOS MENDES, Agência Estado

07 de junho de 2011 | 20h53

Ele teria encomendado o crime por R$ 5 mil a dois pistoleiros cujo retrato falado a polícia divulgou hoje. Os assassinos estão foragidos e provavelmente saíram da região de barco pelo rio Tocantins. O preço para matar o casal não foi confirmado pelos delegados que investigam o caso.

O motivo do crime seria o fato de Rodrigues ter comprado lotes de terra destinados a vários assentados para expandir sua criação de gado na área. Ele tem uma fazenda nos limites do assentamento. Ao saber do fato, José Cláudio disse para o fazendeiro que a terra não poderia ser vendida e que ele não iria deixar que isso acontecesse. O ambientalista mandou que os assentados permanecessem nos lotes.

Rodrigues, sem qualquer ordem judicial, levou policiais de Nova Ipixuna até o assentamento para expulsar os agricultores. O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) tomou conhecimento do fato e informou que os lotes pertenciam aos assentados. Furioso, Rodrigues teria afirmado, segundo depoimento de um lavrador à polícia, que ele perderia os lotes, mas que José Cláudio e Maria, mais cedo ou mais tarde, pagariam caro por isso.

Tudo o que sabemos sobre:
crimeviolênciamortecampocasalPará

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.