Faxineiro encontra R$ 2,8 mil em gabinete de sanguessuga

O funcionário da limpeza da Câmara Antonio Medeiros encontrou, nesta sexta-feira, 4, no gabinete do deputado Júnior Betão (PL-AC), um dos parlamentares acusados de envolvimento com a máfia dos sanguessugas, R$ 2,8 mil em dinheiro vivo, que estavam entre livros em uma estante. Assim que acharam o dinheiro, os faxineiros comunicaram o Departamento de Polícia Legislativa (Depol) da Câmara. Bastou isso para que um batalhão de repórteres e cinegrafistas correrem para a porta do gabinete do deputado.Vander Cesário Rosa, chefe de gabinete e sogro de Júnior Betão, afirmou que o dinheiro era dele, que foi sacado do banco na quinta-feira, 3, e que seria usado para pagar a prestação do carro e o aluguel. "Estamos tratando esse fato como uma ocorrência de caráter meramente administrativa porque não há indício de infração penal nessa conduta", afirmou Alber Vale de Paula, diretor do Depol. Em depoimento à Justiça Federal de Mato Grosso, o empresário Luiz Antonio Trevisan Vedoin disse que pagou R$ 170 mil para o deputado do PL, na conta bancária de seu assessor e sogro. Vander foi ouvido na quinta-feira, 3, pela comissão de inquérito e negou ter recebido dinheiro da máfia das ambulâncias. Matéria alterada para o acréscimo de informação

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.