Faxina externa no Congresso

O Congresso, pelo menos em sua parte externa, sofreu nesta sexta-feira uma faxina. Desde cedo, funcionários de empresa de manutenção e conversação que prestam serviços à Câmara e Senado foram deslocados para limpar os espelhos d´água localizados ao fundo do prédio principal e a poucos metros do Palácio do Planalto.Os espelhos foram esvaziados, e os funcionários gastaram o dia todo, num mutirão de uniformes azuis, para retirar o lodo e o barro acumulados no fundo do lago artificial. Em frente à Esplanada, o professor da Universidade de Brasília, Percy Coelho de Souza, fez um protesto solitário. Com um chapéu de palhaço na cabeça, uma bola vermelha no nariz e uma vassoura na mão, o professor de Serviço Social varreu e esfregou o chão da rampa do Congresso.Ele se disse indignado com a operação-desmonte da CPI da Corrupção, desencadeada pelo governo, que conseguiu enterrar nesta quinta-feira a possibilidade de investigação pelos parlamentares de denúncias de irregularidades no Executivo. "Essa limpeza precisaria ser feita aqui dentro também", protestou o líder do bloco de oposição no Senado, José Eduardo Dutra (PT-SE). "Esperamos que o que aconteceu ontem (quinta) com a CPI não se repita na votação do Conselho de Ética (que vai decidir a punição dos senadores Antonio Carlos Magalhães e José Roberto Arruda), senão faxina nenhuma será suficiente para limpar a imagem do Congresso", disse ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.