Favelas da zona sul do Rio fazem novo dia D contra dengue

Cerca de 300 voluntários, coordenados pela Fundação Nacional de Saúde, realizam amanhã um novo dia D de combate à dengue nas favelas Cantagalo e Pavão-Pavãozinho (zona sul do Rio), com o objetivo de ampliar a ação contra o mosquito Aedes aegypti que está sendo realizada pela Funasa no Estado do Rio desde o início de fevereiro. Voluntários da própria comunidade, do Viva Rio e técnicos da Funasa farão uma grande inspeção em cerca de 500 domicílios da comunidade. O objetivo é transformar o sábado em uma grande dia de mobilização e limpeza das residências, ruas, becos e terrenos baldios das favelas. A parceria da Funasa e do Viva Rio é mais uma tentativa de tentar barrar a epidemia, que até ontem já havia feito 23 vítimas fatais apenas na cidade do Rio - 27 no Estado. O último balanço municipal, divulgado ontem, contou 40.999 casos de dengue, sendo 392 hemorrágicos. Hoje, o Viva Rio e a Fuansa começam a treinar os responsáveis pelos grupos que percorrerão as favelas atuando como agentes sanitários. Amanhã, os responsáveis orientam os voluntários restantes que, a partir das 10horas, começam a circular pelas comunidades.Uma novidade desse novo dia D será a apresentação da escola de samba Alegria da Zona Sul, para convocar a comunidade para o trabalho. Às 9h30, haverá um sorteio de 50 casas que serão visitadas e premiadas com brindes se não tiverem focos do mosquito. Os sorteios continuam durante 30 dias para tentar manter as ações contra a dengue.A operação nas favelas tem, segundo a Funasa, o objetivo de reforçar o trabalho dos agentes comunitários que já fazem o trabalho de combate ao mosquito. "Já existem agentes comunitários nesses locais, mas como as favelas são imensas sempre há locais que precisam ser visitados", afirma Rubem César Fernandes, coordenador do Viva Rio. Segundo ele, o Viva Rio planeja reproduzir a experiência do Cantagalo/Pavão-Pavãozinho em outras favelas e morros do Rio. "Queremos fazer esse dia D bem feito, para que depois outras comunidades carentes usem a nossa experiência e façam novos dias D."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.