'Fator Russomanno' favorece escolha de nome do PRB

O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD-BA), deverá levar em conta o "fator Celso Russomanno (PRB-SP)" para escolher hoje Fausto Pinato (PRB-SP) relator do processo contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Segundo membros mais antigos do colegiado, a pré-candidatura de Russomanno à Prefeitura de São Paulo é vista pelo comando do conselho como uma garantia de que o deputado de primeiro mandato não dará passos em falso que possam prejudicar a imagem do líder do PRB - Russomanno lidera as intenções de voto na capital paulista.

O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2015 | 02h00

Araújo ainda vai conversar com Pinato, mas antes deve procurar o próprio Russomanno no intuito de deixar claro que, para a imagem do conselho, é importante que o parecer prévio seja pela admissibilidade do processo contra Cunha já que as provas são robustas e a opinião pública pode se voltar contra o colegiado.

A avaliação interna no conselho é que o petista Zé Geraldo (PT-PA), embora identificado como radical, está sujeito a pressões de seu partido, do governo e até do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - decididos a evitar mais atrito com Cunha, que ainda detém o poder de decidir pela abertura ou não do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Para seus colegas, Zé Geraldo é tido como uma incógnita. Ele pode se mostrar obediente ao comando petista como fez no ano passado, quando apresentou questão de ordem para tentar impedir a instauração de processo disciplinar contra o então deputado André Vargas, que acabou cassado. Mas, por outro lado, para evitar desgaste em sua base eleitoral, também pode optar por uma cruzada contra o presidente da Câmara.

Vinícius Gurgel (PR-AP) é considerado o mais pró-Cunha dos três. Em suas páginas nas redes sociais é possível encontrar fotos do deputado na campanha do peemedebista ao comando da Câmara com adesivo no peito e hashtag #estoucomeduardo. Além disso, o partido de Gurgel possui o bilionário Ministério dos Transportes, comandado pelo correligionário Antonio Carlos Rodrigues, que pode ser mais um foco de pressão sobre ele, tendo em vista o interesse do governo em evitar problemas com Cunha. Gurgel, porém, é visto como imaturo e inexperiente.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.