Fator Aécio foi decisivo para resultado da eleição

O fator decisivo para a vitória de José Aníbal foi a interferência do governador de Minas, Aécio Neves, na disputa. Antes de sair de férias, Aécio teria pressionado alguns deputados para que votassem em Aníbal e não permitiu que seu secretário de Desenvolvimento Social, Custódio Mattos, sabidamente partidário de Arnaldo Madeira, deixasse o cargo por um dia para ir a Brasília votar. Outros deputados confidenciaram a amigos que foram pressionados.O secretário de Governo de Minas, Danilo de Castro, negou pressões. Disse que Aécio não deixou Custódio sair por uma razão: se o fizesse, daria senha favorável a Madeira. Lembrou que, dos seis deputados do PSDB mineiro, três votaram em Aníbal e três, em Madeira. A ausência de Custódio começou a derrubar Madeira, que, sem seu voto, perdeu a maioria que até então detinha.Duas outras figuras importantes do PSDB - a governadora Yeda Crusius (RS) e o senador Marconi Perillo (GO) - trabalharam para Aníbal. Ele foi beneficiado ainda pelo voto do chamado baixo clero tucano. A vitória de Aníbal interrompeu longo domínio do mesmo grupo sobre a liderança do PSDB. Foram oito vitórias seguidas: Jutahy Júnior (BA, quatro vezes), Alberto Goldman, Custódio Mattos e Antonio Carlos Pannunzio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.