Valeria Gonçalvez/Estadão
Valeria Gonçalvez/Estadão
Imagem João Gabriel de Lima
Colunista
João Gabriel de Lima
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Faroeste caboclo no país da Terra plana

Facilitar o acesso a armas no Brasil é como jogar um fósforo aceso em chão de pólvora

João Gabriel de Lima, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2021 | 03h00

“Em relação à carnificina que provocam, as armas de uso individual podem ser comparadas às armas de destruição em massa”, disse Kofi Annan, ex-secretário-geral das Nações Unidas. A frase é de 2000. No ano seguinte, a ONU realizou em Nova York a Primeira Conferência Internacional sobre Armas de Fogo – o Brasil do presidente Fernando Henrique enviou uma das maiores delegações, com representantes do governo e da sociedade civil. Se existe um consenso no planeta Terra – aquele que é azul e, para espanto de alguns, redondo – é o que defende o controle das armas de uso individual. Tal entendimento, baseado em evidências e estudos acadêmicos, formou-se há mais de 20 anos. Da conferência de Nova York para cá vários países criaram leis nessa direção. 

O espírito de tais leis – incluindo a brasileira, alinhada ao consenso internacional – é impedir que as armas turbinem os homicídios ou caiam nas mãos do crime. Os vários decretos do presidente Jair Bolsonaro sobre o assunto, incluindo os que foram publicados na sexta-feira de carnaval, vão na contramão desse espírito. Eles emasculam o Exército e a Polícia Federal em seu poder de fiscalizar os armamentos. No limite, dificultam a investigação de crimes por parte das polícias, como mostra Michele dos Ramos, assessora especial do Instituto Igarapé e mestre em segurança internacional. Ela é a personagem do minipodcast da semana. 

Os que discordam do consenso – principalmente nos Estados Unidos – costumam brandir o exemplo do Canadá, país com legislação liberal e criminalidade baixíssima. No livro Armas para quê?, o professor Antônio Rangel Bandeira – pós-graduado em Ciência Política justamente no Canadá – afirma, com base em pesquisas, que a violência urbana é causada por pelo menos 40 variáveis. Elas estão praticamente ausentes no Canadá, onde há bem-estar social, polícia eficiente e alto grau de confiabilidade nos governantes. Em países como o Brasil, com altos índices de pobreza e desigualdade, corrupção minando as instituições policiais e desconfiança dos políticos, facilitar o acesso a armas é como jogar um fósforo aceso em chão de pólvora. 

O Congresso brasileiro reflete o pensamento da maioria acadêmica. Os decretos de Bolsonaro foram criticados pela esquerda (Marcelo Freixo, do PSOL), pela centro-direita (Rodrigo Maia, do DEM), por aliados de Bolsonaro (Marcelo Ramos, do PL) e por alguns integrantes da bancada evangélica – que enfatizaram o caráter “anti-humano e anticristão” da medida, nas palavras de Eliziane Gama, senadora pelo Cidadania. 

Em editorial publicado na quarta-feira, o Estadão lembrou que o presidente “já deu a entender que defende o uso desse armamento contra inimigos políticos”. Na inesquecível reunião ministerial de abril de 2020, Bolsonaro afirmou que, “se estivesse armado”, o povo “iria para a rua” em desobediência às medidas de alguns governadores para combater a pandemia. 

Na semana da posse de Joe Biden (defensor, aliás, do controle de armas), esta coluna listou medidas sensatas de diversos governantes mundo afora – num indício de que a Terra, depois de um momento de loucura, voltaria a ser redonda. Cabe ao Congresso colocar o Brasil na rotação normal do planeta e gongar o faroeste caboclo. Se não fizer isso, continuaremos a ser o país que – seja no combate à pandemia, seja no controle de armas – ignora o conhecimento baseado em evidências. O país da Terra plana.

*ESCRITOR, PROFESSOR DA FAAP E DOUTORANDO EM CIÊNCIA POLÍTICA NA UNIVERSIDADE DE LISBOA

Para saber mais:

Minipodcast de Michele dos Ramos

Editorial: Ilegal, inoportuno e muito perigoso

A Terra volta a ser redonda. Hora de o Brasil embarcar

Estudo sobre controle de armas e redução de crimes

Estudo sobre a relação entre armas e criminalidade

O livro “Armas para quê?”, de Antônio Rangel Bandeira

Histórico da ação das Nações Unidas em relação ao controle de armas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.